Retomada desigual nos EUA preocupa o presidente do Fed

Ben Bernanke diz que população pobre tem levado mais tempo para se recuperar dos problemas causados pela crise

, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2011 | 00h00

A crise financeira atingiu mais duramente os americanos que já eram vulneráveis antes do colapso dos mercados do que outros no país, afirmou o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central), Ben Bernanke, sinalizando preocupações sobre a desigual recuperação da economia.

Em comentários preparados para um evento da instituição, Bernanke repetiu sua visão de que a recuperação deverá continuar a um ritmo moderado. Embora o mercado de trabalho esteja melhorando lentamente, a taxa de desemprego ainda está "muito alta, particularmente entre as minorias, jovens e aqueles com menos formação".

Bernanke discursou numa conferência de desenvolvimento comunitário, em Arlington, Virgínia (EUA). Na sua primeira entrevista coletiva após uma reunião de política monetária, realizada na última quarta-feira, o presidente do Fed tentou assegurar ao cético público que o Fed está fazendo tudo o que pode para controlar a inflação em meio ao aumento dos preços dos alimentos e da gasolina e para expandir a desigual recuperação econômica, que ainda não chegou a muitos cidadãos do país.

Nas declarações desta sexta-feira, Bernanke destacou que, embora a escala de problemas causados pela crise econômica tenha sido excepcional, muitos desses problemas não são novos para as famílias de renda mais baixa e comunidades que já estavam em dificuldades.

As pessoas que eram vulneráveis tiveram mais dificuldades para resistir à tempestade financeira ou se recuperar dos retrocessos, disse o presidente do Fed. Ele citou uma pesquisa da autoridade monetária que mostrou que as famílias com renda mais baixa continuam a experimentar um maior nível de desemprego do que as famílias com renda mais alta.

Em 2009, aproximadamente um quarto das famílias na metade inferior da distribuição de renda tinham ao um membro sem emprego durante uma parte do ano anterior à pesquisa. Essa taxa foi o dobro da observada entre as famílias de renda mais alta. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.