bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Retomada na indústria deve ocorrer no 2º semestre

Setores industriais importantes, como o automobilístico e o de eletroeletrônicos, projetam recuperação ao longo do segundo semestre e até crescimento em 2002, apesar das quedas acumuladas no ano. A indústria de alimentos, que também aposta no crescimento, aponta como principais problemas o desemprego alto, o rendimento em baixa e a taxa de juros elevada. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) mantém a projeção de avanço de 3% para vendas no varejo este ano, apesar da queda acumulada de 13% até maio. "Contamos com uma recuperação a partir de julho, apesar da turbulência do mercado financeiro", acredita o diretor de relações institucionais Ademar Cantero. No setor de eletroeletrônicos, a avaliação é de que os resultados em maio e junho serão decisivos para a performance do setor. "Se não tiver sobressalto, acredito que vamos nos recuperar", disse o presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Paulo Saab. O caso do setor é significativo. As vendas acumulam queda de 12 38% nos quatro primeiros meses do ano, mas projeta crescer 6% no ano. Ao contrário da Eletros, a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia) calibrou para baixo suas expectativas, acompanhando as recentes revisões de instituições para o PIB do País. Espera-se, agora, um crescimento entre 2,5% e 3%, no lugar da faixa anterior, que girava entre 3% e 3,5%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.