Reunião da OMC em Cancún termina sem resolução

Marcada por grande divisão e controvérsias, fracassou a 5ª reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), realizada em Cancún. Hoje, dia final do encontro, não foi possível um consenso entre as 148 delegações de países membros da organização. A delegação do Quênia e de outros países africanos abandonaram as negociações, sob o argumento de que não tinham mais bases para negociar.A delegação do Canadá também confirmou que o presidente da Conferência de Cancún, o mexicano Luis Ernesto Derbez, havia admitido o fim da reunião. O principal impasse foi a posição irredutível de um grupo de 70 países em desenvolvimento, entre eles Índia, Malásia, Quênia e Tanzânia, em relação aos chamados temas de Cingapura, que inclui o início de negociações de temas como investimentos, compras governamentais e facilitação do comércio internacional.O vice- presidente da confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Gilman Rodrigues, disse que não é um problema muito grave o fracasso da conferência de Cancún, uma vez que essa reunião, segundo ele, não é final e sim intermediária nas negociações para a conclusão da rodada de Doha, prevista para ser concluída em dezembro de 2004."O que vai acontecer é que todas as questões não resolvidas aqui vão ser transferidas para Genebra (sede da OMC)", afirmou Rodrigues. Ele disse também que, mesmo se prosperasse as discussões sobre temas de Cingapura, a delegação brasileira não iria aceitar também o texto base para a agricultura porque ele ainda está longe das reivindicações do G-21, a qual o Brasil lidera, e que contemplam o fim dos subsídios às exportações agrícolas, entre outros pontos.No início da tarde, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, já havia dito que os Europeus já haviam percebido que as negociações dos temas de Cingapura não estavam andando. Ele disse, também, que o Brasil já havia demonstrado simpatia pelos problemas levantados pela Índia e outros países e estava tentando contribuir para o encontro de uma solução.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.