Reunião de Lula, Mantega e Meirelles termina sem anúncios

Segundo Planalto, foi feita avaliação do mercado e discutido o posicionamento do País em encontro do FMI

Leonencio Nossa, da Agência Estado,

09 de outubro de 2008 | 20h42

Terminou por volta das 20h30 desta quinta-feira, 9, a reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central,  Henrique Meirelles, no Palácio do Planalto, para discutir a crise financeira internacional. O encontro durou cerca de uma hora e não foi anunciada nenhuma nova medida. Segundo assessores do Planalto, foi feita uma avaliação do mercado e discutido o posicionamento de Mantega e Meirelles nas conversas que terão em Washington, nos Estados Unidos.   Veja também: Como o mundo reage à crise  Após dois novos leilões do BC, dólar fecha em queda de 4,82% Confira as medidas já anunciadas pelo BC contra a crise Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Entenda o pacote anticrise que passou no Senado dos EUA  A cronologia da crise financeira  Veja como a crise econômica já afetou o Brasil  Entenda a crise nos EUA    Mais cedo, o porta-voz da Presidência da República, Marcelo Baumbach, disse que, durante a reunião, o presidente Lula deveria acertar com Mantega e Meirelles o posicionamento do Brasil nas reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington.   Baumbach afirmou também que a mensagem do presidente Lula, em conversas com sua equipe e com chefes de Estado de outros países, é de que o sistema financeiro precisa ser supervisionado. "O presidente considera importante ter em conta que a natureza global da crise mostra que é preciso uma supervisão internacional do mercado financeiro", afirmou.   Em entrevista no Planalto, Baumbach deu detalhes da viagem que Lula fará a Toledo, na Espanha; Nova Délhi, na Índia; e Maputo, em Moçambique, ao longo da próxima semana. Em encontros com líderes dos três países, Lula defenderá que acordos do Mercosul com outros blocos econômicos beneficiam o fluxo de comércio internacional, especialmente em momento de crise.   Lula terá encontros com o rei da Espanha, Juan Carlos; com o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh; o primeiro-ministro espanhol, José Luis Zapatero; com o presidente da África do Sul, Kgalema Motlanthe; e o presidente de Moçambique, Armando Emílio Guebuza. O presidente ainda se reunirá com o ex-presidente da África do Sul e Prêmio Nobel da Paz, Nelson Mandela, em Maputo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.