Reunião do CNPE pode ser na quarta-feira

O ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, confirmou ontem que a reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que vai sacramentar o preço do barril a ser adotado na capitalização da Petrobrás, pode ser na próxima quarta-feira. "Há uma expectativa, se concluirmos todos os estudos necessários", disse o ministro.

Leonardo Goy / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2010 | 00h00

O CNPE é um colegiado interministerial que envolve, além do ministro de Minas e Energia, os titulares de outras pastas como Fazenda, Planejamento, Casa Civil, Meio Ambiente, Agricultura e Ciência e Tecnologia.

Para que a reunião ocorra, é preciso que seja convocada com 48 horas de antecedência. Assim, Zimmermann afirmou que apesar da confirmação do encontro ainda depender da conclusão dos estudos, o ministério já enviou preventivamente os convites para o conselho. "Alertamos que pode haver uma reunião na quarta-feira aqui no Ministério de Minas e Energia."

O ministro não confirmou se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva presidirá a reunião, como vem sendo comentado nos bastidores nos últimos dias.

Sem consenso. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ontem que ainda não se chegou a um consenso sobre o preço do barril de petróleo a ser cedido onerosamente pela União à estatal, mas não forneceu maiores detalhes. "Não tenho nada a declarar até porque sou o presidente do conselho (da Petrobrás). Não chegamos a um consenso em relação ao preço do barril."

Mantega afirmou também que "todos os comunicados sobre a capitalização da Petrobras serão feitos daqui para frente por meio de fato relevante". Segundo o ministro, que participou do 7.º Fórum de Economia da Fundação Getúlio Vargas, "tudo que sair na imprensa sobre este assunto é especulação". Na semana passada, conforme apurado pela Agência Estado, o governo teria definido o preço do barril em US$ 8,50. / COLABOROU FRANCISCO CARLOS DE ASSIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.