Reunião do Fed centraliza atenções

BC dos EUA reúne-se amanhã e quarta-feira; maior parte dos analistas acredita que juro será mantido em 2%

Leandro Modé, O Estadao de S.Paulo

23 de junho de 2008 | 00h00

Em meio à inflação crescente no mundo todo e ao intenso vaivém das cotações do petróleo, o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) reúne-se amanhã e quarta-feira para definir o rumo da taxa básica de juros. A expectativa da maioria dos analistas é de que seja mantida em 2% ao ano. Se a aposta se confirmar, será a primeira reunião, desde setembro de 2007, em que não há mudança. Naquele momento, o Fed iniciou um processo de relaxamento monetário para fazer frente à crise das hipotecas de alto risco (subprime). A taxa saiu de 5,25% para os 2%. Das 10 reuniões feitas nesse período, quatro não constavam do calendário ordinário do Fed. Em termos de indicadores e eventos no Brasil, os destaques da semana são dois números de inflação relativos a junho: IPCA-15, na quarta-feira, e IGP-M, sexta-feira. O IPCA-15 é uma prévia do IPCA, o índice oficial de inflação do Brasil. O economista-chefe da Concórdia Corretora, Elson Teles, projeta uma alta entre 0,75% e 0,80% no mês, o que levaria o indicador a acumular elevação de 5,8% em 12 meses, bem acima da meta de 4,5%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.