Reunião do G8 sobre crise ainda não tem data, diz Casa Branca

Porta-voz da Presidência dos Estados Unidos diz que países ainda terão que ver quando encontro acontecerá

Priscila Arone, da Agência Estado,

16 de outubro de 2008 | 18h47

O grupo dos oito países mais industrializados do mundo (G-8) ainda não concluiu os detalhes de sua reunião de cúpula - cuja data ainda não foi estabelecida - sobre a crise global, segundo a Casa Branca. "Nós teremos de ver", disse a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino. Veja também:Consultor responde a dúvidas sobre crise  Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise  O G-8 emitiu um raro comunicado conjunto na quarta-feira, revelando os planos para a realização de uma reunião especial "num futuro próximo" para discutir a arquitetura financeira mundial. "Eu acho que uma das razões para dizer 'futuro próximo' é que nós não sabemos exatamente onde e quando a reunião será realizada", disse Perino. "Mas nós os comunicaremos assim que soubermos", disse ela a repórteres. O G-8 reúne os EUA, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia.  O ministro da Economia e Finanças da Itália, Giulio Tremonti, no entanto, disse nesta quinta-feira que os EUA consideram novembro como o mês para a reunião do G-8. Ele acrescentou que ainda não está definido se o encontro será nos EUA ou no Japão.  Com a data e a localização da cúpula ainda não definidas, Perino disse que é muito cedo para saber se os candidatos à Presidência dos EUA, John McCain e Barack Obama, vão ter algum papel nas conversações. Keith Hennessey, que coordena o Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, repassou informações sobre a situação da economia para as campanhas dos dois candidatos na quarta-feira, na primeira de uma série de sessões de transição.O presidente dos EUA, George W. Bush, vai reunir-se com seu colega francês, Nicolas Sarkozy, e o presidente da Comissão Européia, José Barroso, no próximo sábado em seu retiro em Camp David. O encontro, que segundo a Casa Branca foi organizado porque Sarkozy e Barroso estarão no Canadá para compromissos separados, não deve resultar em decisões importantes.  "Eu não espero anúncios de novas políticas, eu não espero que datas de reuniões sejam anunciadas", disse Perino. "Eu acho que será apenas uma chance para eles continuarem as discussões que já vem travando desde o início desta situação".  Bush vai falar sobre economia na sexta-feira, num discurso na Câmara de Comércio dos EUA, no que deve ser sua última tentativa de proporcionar certezas aos planos do governo de resgate ao mercado.  Perino disse não saber quando a desaceleração dos mercados vai melhorar. "Vai demorar um pouco", disse ela. "Nós temos um sistema no qual às vezes o mercado sobe e algumas vezes o mercado cai. E agora ele está em queda.".

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraCrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.