Reunião entre VarigLog e credores termina com críticas

Na reunião da VarigLog com credores da Varig, representantes de credores privados e dos trabalhadores criticaram a nova proposta apresentada pelo chinês Lap Chan, do fundo Matlin Patterson, que é um dos acionistas da Volo Brasil, controladora da VarigLog. Um representante de um grande credor privado disse que houve pouca mudança em relação à proposta original. Ele chegou a comentar que a Varig é como um paciente na UTI só que "ninguém quer dar o remédio ou desligar os aparelhos". A presidente do Sindicato de Aeroviários, Selma Balbino, também comentou que o valor previsto de US$ 50 milhões para indenização de demissões não é suficiente. Esse valor seria para cobrir possíveis passivos trabalhistas da antiga Varig. Dos 9,8 mil empregados atuais, apenas cerca de 4,9 mil permaneceriam na nova companhia. Selma comparou a proposta da VarigLog ao projeto apresentado hoje pelo consultor Jayme Toscano: "Para quem tem a proposta do Lap, isso é Papai Noel, o resto é bruxa", disse. Segundo uma fonte, houve, pelo menos, um momento de tensão na reunião quando uma empresa estrangeira de aluguel de jatos aventou a possibilidade de retomar aviões da Varig. A interferência foi duramente criticada por Lap Chan.

Agencia Estado,

25 Abril 2006 | 18h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.