Revendas de gás negam culpa por alta de preços

A Federação Nacional dos Revendedores de Gás (Fergás), divulgou nota rebatendo as acusações de praticar altas margens na venda do botijão de gás. Segundo a nota, os custos operacionais da revenda do gás, que contemplam transporte, armazenamento, assistência técnica e manuseio são os mais onerosos da cadeia e já foram disponibilizados a "órgãos competentes" em planilhas. A entidade avalia que a regulamentação do setor prejudica a livre concorrência, uma vez que os revendedores são obrigados a comprar de um único fornecedor. "Seis grupos econômicos detêm 95% do mercado de engarrafamento de GLP no Brasil, criando situações de abuso do poder econômico, em determinados momentos e, em outros, de poder abusivo", diz a nota. A Fergás propõe maior diálogo entre as autoridades e os elos da cadeia produtiva do gás para incentivar a redução do preço ao consumidor. Existem cerca de 80 mil postos de revenda de gás no País, com uma frota de 400 mil veículos.

Agencia Estado,

26 de julho de 2002 | 15h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.