Antonio Lacerda|EFE
Antonio Lacerda|EFE

Valores travam acordo da cessão onerosa

Prazo para Petrobrás e União acertarem a revisão do acordo feito em 2010 sobre petróleo do pré-sal termina nesta quinta, mas ainda há divergências

Ricardo Leopoldo, correspondente e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

16 Maio 2018 | 15h45

NOVA YORK E BRASÍLIA-  O presidente da Petrobrás, Pedro Parente, afirmou nesta quarta-feira, 16, que a decisão sobre o adiamento do prazo para que a estatal e o governo cheguem a um acordo sobre a revisão da cessão onerosa, firmada em 2010, é do governo. O prazo termina nesta quinta, 17 e o ideal, segundo o executivo, seria não estendê-lo.

+ Ação da Petrobrás supera valor da ‘megacapitalização’

“Obviamente que a grande questão em discussão é o valor que cabe a cada lado. E os dois lados fazem um trabalho de procurar maximizar o resultado para si, mas isso é normal em qualquer negociação”, disse Parente, após palestra em evento organizado em Nova York pelo Itaú Unibanco.

O acordo de 2010 que permitiu à Petrobrás explorar, sem licitação, 5 bilhões de barris no pré-sal foi feito para capitalizar a empresa. Em troca, a estatal pagou à União R$ 74,8 bilhões. Nos anos seguintes, porém, a cotação do barril de petróleo caiu muito. Por causa disso, a Petrobrás alega que pagou à União um valor muito alto no acordo de 2010, e quer ser ressarcida. Por outro lado, há nessas áreas muito mais do que os 5 bilhões de barris que o contrato garantiu à estatal. E o governo pretende leiloar esse excedente, o que poderia render até R$ 100 bilhões aos cofres da União.

+ Petrobrás vai à Justiça contra oito bancos

Conversas. Nesta quarta-feira, houve nova rodada de negociações. Segundo fontes do governo ouvidas pelo Estadão/Broadcast, apesar de o prazo terminar nesta quinta, 16, é possível que o relatório da comissão não seja concluído. Não há ainda definição dos valores a serem quitados entre as partes.

+ Petrobrás exige que funcionários informem dados de patrimônio e renda

O grupo é composto por representantes da Petrobrás, do Tribunal de Contas da União e dos Ministérios da Fazenda e de Minas e Energia, entre outros. Há uma expectativa de evolução nas conversas, mas não foi desenhada uma estratégia caso o impasse permaneça.

Uma das preocupações centrais do TCU é de que fique garantida a legalidade de cada etapa da operação. Uma possibilidade que está em negociação é o pagamento em óleo dos valores devidos na revisão do contrato, embora a lei hoje só permita o pagamento em títulos públicos ou dinheiro. O governo terá de mudar a lei se quiser pagar em óleo – uma operação que é vista com ressalvas por técnicos da área econômica, uma vez que os recursos passariam “por fora” do Orçamento da União.

+ Petrobrás faz pré-pagamento de dívidas bancárias no total de US$ 900 milhões

Há uma preocupação sobre a possibilidade de a medida ser interpretada como uma manobra de contabilidade criativa, nos moldes que foi feito pelo Tesouro na época da capitalização da Petrobrás, há oito anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.