Bloomberg/David Becker
Bloomberg/David Becker

Revista Time é vendida por US$ 190 milhões a bilionário de tecnologia

Após adquirir a Time Inc., grupo americano de mídia repassa revista a Marc Benioff, presidente da empresa de tecnologia Salesforce

O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2018 | 20h47

A revista Time, uma das publicações mais tradicionais dos Estados Unidos, tem um novo dono: neste domingo, 16, o grupo de mídia Meredith anunciou, por meio de comunicado de imprensa, a venda da publicação ao casal Marc e Lynne Benioff por US$ 190 milhões. 

Fundador e presidente executivo da empresa de tecnologia Salesforce, Marc Benioff não se envolverá com o cotidiano da publicação ou decisões jornalísticas, que serão lideradas pelo time executivo que já está na revista. A compra também não vai unir a Time à Salesforce – trata-se de uma aquisição individual, não da empresa. 

“Estamos honrados em cuidar de uma das principais empresas de mídia do mundo”, declarou o casal, no comunicado enviado à imprensa americana na noite deste domingo. Hoje, a Time tem mais de 100 milhões de leitores em suas versões impressa e digital – 50 milhões deles também acessam o site da revista, que tem 40 milhões de seguidores em suas redes sociais. Espera-se que a venda seja concluída em 30 dias. 

Conhecida por revistas femininas, a Meredith comprou a Time Inc., grupo que também continha veículos como Fortune e Sports Illustrated, por US$ 2,8 bilhões, em novembro de 2017. O negócio foi apoiado pelos bilionários irmãos Koch, conhecidos por seu posicionamento político conservador. Agora, começa a se desfazer de parte das publicações que adquiriu na transação – atualmente, busca compradores para as outras revistas.

O exemplo de Jeff Bezos

Com fortuna avaliada em US$ 4,9 bilhões, Marc Benioff agora segue os passos de outro bilionário do ramo da tecnologia que se envolveu com a mídia: Jeff Bezos, fundador e presidente executivo da Amazon. Em 2013, ele comprou o jornal The Washington Post por US$ 250 milhões. 

O investimento modernizou o veículo, colocando jornalistas e programadores de código trabalhando lado a lado. Além da área de mídia, a empresa se tornou também fornecedora de software para concorrentes, numa virada que lhe rendeu o título de uma das mais inovadoras do mundo, segundo a revista Fast Company

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.