finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

RH quer assumir papel estratégico nas empresas

Para reter talentos, companhias precisam elevar responsabilidade da área de gestão de pessoas, diz consultoria

FERNANDO SCHELLER, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2012 | 03h07

A atração de profissionais de perfil sênior de recursos humanos está cada vez mais ligada ao aumento da importância da área de gestão de pessoas para a estratégia do negócio. Uma pesquisa feita pela consultoria britânica Michael Page mostra que o RH tem dificuldades de atrair e reter talentos porque, apesar do recente debate sobre a dificuldade em encontrar bons profissionais, o setor ainda não está no centro das estratégias da maioria das empresas.

Entrevistas feitas com gerentes e diretores de recursos humanos pela Michael Page mostram que as companhias ainda têm problemas em "vender internamente" a área de pessoas, já que a migração para outros setores geralmente se mostra mais promissora no longo prazo. Para 57% dos profissionais ouvidos, é difícil manter talentos no setor de RH. Outro entrave, apontado por 44% dos entrevistados, é o reduzido números de profissionais seniores nos departamentos de gestão de talentos.

A presença do RH no centro do planejamento da companhia é realidade somente em algumas corporações de grande porte, segundo o diretor executivo da Michael Page, Augusto Puliti. "Nas multinacionais, existe uma estrutura bem montada, com diretor, gerente, coordenador e analista. Nas empresas menores, no entanto, não existe o mesmo comprometimento em relação ao time de recursos humanos", explica o especialista.

O profissional mais experiente de gestão de pessoas está interessado em contribuir para os objetivos de longo prazo da empresa. "O objetivo do RH hoje é participar do comitê executivo da empresa. A função vai muito além daquele caráter de execução tradicional, de processamento de folha de pagamento", explica.

Mudança. Entre as empresas que conseguiram atrair profissionais experientes com o foco no RH estratégico está a varejista Fototica, rede de óticas que pertence ao grupo franco-holandês Grand Vision. A empresa, que trocou recentemente de presidente no País - o cargo foi assumido por Marcelo Ferreira, ex-Adidas, no segundo semestre de 2011-, atraiu também um diretor de RH com 26 anos de experiência: Marco Antonio Gomes, que já passou por Hamburg Süd, Varig e Playcenter, chegou na empresa há cinco meses e ganhou um assento no Conselho de Administração.

A mudança, segundo Gomes, foi motivada pelo desafio estratégico apresentado pela Fototica: criar um novo padrão de atendimento, que exige a reciclagem dos profissionais que já atuam na empresa e também o treinamento dos novos que chegarão com o projeto de expansão do número de lojas. "A concorrência no setor de óticas é muito acirrada. A plataforma de crescimento da empresa está no serviço, com uma venda mais técnica", explica. "Será preciso mudar uma cultura. É o que a gente está tentando fazer."

No fim de 2010, quando foi comprada pelo fundo de private equity holandês Hal Investments (dono da Grand Vision, formada em 2011), a Fototica anunciou um plano ambicioso: elevar seu número de lojas de 118 para 500 até 2014. No entanto, até o fim do ano passado, segundo informações da assessoria de imprensa, a Fototica ainda contabilizava 119 unidades. A assessoria informa que a Fototica pretende expandir sua atuação no País com a abertura de novas unidades próprias e aquisições, mas não confirma se a empresa continuará a perseguir a meta de 500 pontos de venda.

Desafio. Como ocorre em qualquer outra carreira, o profissional de RH também busca desafios maiores. Há quatro meses, Ivan Pereira de Santana trocou a varejista americana Walmart pela finlandesa Kemira, especializada em processos para tratamento químico da água. Antes, Santana fazia parte de uma equipe; hoje, responde pela estratégia de pessoas para a América do Sul. O grupo, que fatura 2 bilhões por ano, tem quatro fábricas e 430 funcionários no País.

"A empresa tem o desafio de encontrar profissionais qualificados para sua expansão. A meta é crescer dois dígitos anualmente na região", diz Santana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.