Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Riachuelo tem lucro recorde para 1º semestre

Rede varejista pretende retomar ritmo de abertura de lojas em 2018; estreia de e-commerce e nova distribuição explicam desempenho

Dayanne Sousa, Broadcast

09 Agosto 2017 | 23h02

A rede varejista Riachuelo teve o maior lucro da sua história em um primeiro semestre. Parte do grupo Guararapes, que também tem fábricas e uma empresa de crédito ao consumidor, a companhia lucrou R$ 82,3 milhões, mais do que o dobro dos R$ 36,3 milhões no mesmo período do ano passado.

Além do cenário econômico, com a previsão de uma pequena melhora na taxa de emprego e a redução dos juros, a empresa aproveitou a crise para se reestruturar. No ano passado, a Riachuelo investiu R$ 200 milhões em seu centro de distribuição em Guarulhos. “Agora, o produto vai sendo enviado à medida em que a loja vende, o que otimiza cada centímetro de arara. A mudança na distribuição é o equivalente a sair do caminhão-pipa para (adotar) água encanada”, disse nesta quarta-feira, 9, ao Estadão/Broadcast.

Rocha credita o desempenho do primeiro semestre a esse novo centro logístico, que, desde setembro, abastece toda a rede. Com ele, as substituições de produtos nas lojas passaram a ser definidas a partir da informação em tempo real das vendas. Os caminhões da rede agora visitam todas as unidades ao menos três vezes por semana, repondo os itens mais demandados. Esse sistema também guia a produção industrial, que pode redefinir suas prioridades a partir das peças que tiverem melhor aceitação.

Raso e com giro. Rocha comparou o novo modelo de atuação da companhia a um espelho d’água amplo e raso: os produtos evaporam mais rápido nas prateleiras. O oposto seria um poço profundo, em que sobram peças antigas nas araras. A redução de estoques ajudou na melhoria da rentabilidade. Na operação de varejo da Riachuelo, a margem cresceu 2,5 pontos porcentuais no segundo trimestre de 2017 ante igual período do ano anterior.

O lançamento da operação de comércio eletrônico também contribuiu para o resultado, embora ainda não em todo o seu potencial, já que as vendas passaram a ocorrer apenas no último mês do segundo trimestre. A operação online recebeu investimentos de R$ 28 milhões.

Transformação. O novo conceito de distribuição exigiu ainda uma mudança de mentalidade administrativa de todo o grupo Guararapes. As premiações por resultados, por exemplo, deixaram de ser feitas por setor.

O novo centro de distribuição também ganhou uma estrela: um robô de 18 metros de altura que separa os pedidos, peça a peça, e não mais por grades de tamanho. Assim, as lojas só recebem o que precisa, evitando encalhes.

Mais conteúdo sobre:
Riachuelo Guararapes Rocha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.