Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ricardo Eletro protocola o maior plano de recuperação judicial do varejo

Com dívidas de cerca de R$ 4 bilhões e quase 20 mil credores, rede varejista teve pedido aceito pela Justiça em agosto; empresa, que planeja deságio de até 85% dos débitos, fechou 400 lojas e aposta no digital

Talita Nascimento e Matheus Piovesana, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2020 | 05h00
Atualizado 15 de outubro de 2020 | 23h52

Correções: 15/10/2020 | 18h46

A varejista Ricardo Eletro, que pertence ao grupo Máquina de Vendas, apresentou, na noite de terça-feira, 14, a minuta do seu plano de recuperação judicial, a maior já realizada no setor de varejo. Com dívidas de cerca de R$ 4 bilhões e pouco menos de 20 mil credores, a empresa fechou 400 lojas e “está endereçando o negócio para ser uma plataforma digital”, diz Salvatore Milanese, sócio-fundador da Pantalica Partners, assessoria financeira da empresa.

O documento detalha as diretrizes do plano de recuperação, como a forma de pagamento a cada tipo de credor. O pedido de recuperação judicial da varejista foi aprovado pela Justiça em agosto e teve os efeitos da pandemia como justificativa final, após uma série de dificuldades enfrentadas pelo grupo – que também detém as marcas Insinuante, Salfer, City Lar e EletroShopping.

No texto, a Máquina de Vendas propõe que os credores com garantia real recebam seus pagamentos com o valor de um excedente do caixa da empresa. Na prática, a proposta é que o que passar do caixa mínimo, de R$ 100 milhões, seja distribuído aos credores. Além disso, será aplicado deságio de 85% sobre os valores.

Se aceito, o pagamento começa após a rede quitar os seus “credores estratégicos”. Segundo Luiz Deoclecio Fiore, sócio da OnBehalf, esses credores são, em geral, fornecedores que optam por manter o fornecimento e têm vantagens no recebimento de seus créditos.

Já os credores sem garantia real, no valor de até R$ 3,5 mil, receberão R$ 1,5 mil no prazo de até dois anos, a partir da homologação. Quem tem a receber mais de R$ 3,5 mil terá o pagamento atrelado ao excedente do caixa mínimo.

O deságio para esses credores também é de 85% e o pagamento acontece depois que os credores estratégicos tiverem suas dívidas quitadas. Quem tem mais de R$ 3,5 mil a receber mas quer receber sem depender do caixa excedente, pode optar por receber à vista R$ 1,5 mil em até 24 meses, e abrir mão do que restar. “Nesse momento, estamos dando prioridade às dívidas trabalhistas, pois os trabalhadores demitidos são o principal foco de atenção da empresa”, diz Milanese.

A empresa informou à Justiça que tem R$ 30 milhões para pagamento de parte desse valor devido aos trabalhadores. Esses credores devem receber até R$ 4 mil e, para quem tem mais do que isso a receber, haverá o deságio de até 85%.

Com a venda de ativos físicos a Ricardo Eletro deve apostar no e-commerce. "A empresa está endereçando o negócio para ser uma plataforma digital e esse novo modelo funcionará principalmente com rede de parceiros que, aproveitando da logística, dos canais de distribuição da Máquina de Vendas, pretende ser pontos móveis de vendas, atendendo a capilaridade regional", diz a assessoria financeira.

Para Fiore, o plano da empresa tem problemas. Ele considera que a imposição do caixa mínimo de R$ 100 milhões dificulta que os credores recebam seus valores de direito. “O plano deveria ter a situação fiscal da empresa mais detalhada. A companhia teve problemas com pagamentos à União e isso não está exposto de forma que os credores tenham uma noção completa do que a empresa tem a pagar”, avalia.

Concorrentes

Enquanto a Ricardo Eletro, que tradicionalmente era a terceira maior força do mercado de eletrodomésticos, sofre há anos com uma forte crise, passando por uma série de reestruturações, tentativas frustradas de venda e agora recorre à recuperação judicial, suas principais rivais – Via Varejo e Magazine Luiza – vivem um forte ano na B3, a Bolsa paulista. Ambas figuram entre as maiores altas do índice Ibovespa, referência para o mercado brasileiro. A primeira subiu 71,8% desde janeiro, apesar da pandemia do novo coronavírus, enquanto a segunda teve um desempenho ainda melhor: suas ações subiram 115,8% no acumulado de 2020, com a segunda maior valorização de todo o índice, atrás somente da gigante industrial Weg, que subiu mais de 130%. No geral, o Ibovespa acumula baixa de 14% no ano.

Correções
15/10/2020 | 18h46

Ao contrário do informado anteriormente pela própria assessoria do grupo Máquina de Vendas, Pantalica Partners, ao Estadão, a empresa não manterá cem lojas físicas abertas em seu processo de reestruturação no e-commerce. O texto atual já foi alterado com a nova informação transmitida pela assessoria.

Tudo o que sabemos sobre:
Ricardo Eletrorecuperação judicial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.