Ricos comem carne e pobres consomem farinhas, aponta IBGE

Enquanto os mais ricos no Brasil comem carne, os pobres têm de se contentar com farinhas. É o que constata pesquisa do IBGE, divulgada hoje. As famílias com renda média mensal acima de R$ 6.000 consomem mais do que o dobro de carne bovina, ao ano, do que consomem anualmente as famílias com rendimento médio de até R$ 400 mensais. O dado, que se refere apenas a refeições no domicílio, consta da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) - 2002-2003. A pesquisa mostra ainda que o consumo anual de carne de frango, por cabeça, nas famílias com esta renda mais alta, é 54% acima do volume consumido por aquelas famílias com renda mais baixa. O menor consumo de carne por parte das famílias de baixo poder aquisitivo é compensado por produtos como farinha, arroz e feijão.A pesquisa do IBGE mostra que o consumo anual de farinha de mandioca pelas famílias com renda média mensal até R$ 400 é sete vezes superior ao registrado no consumo médio anual per capita das famílias com renda média acima de R$ 6.000. As famílias de renda média mensal até R$ 400 também adquirem quantidade per capita de arroz 27,5% acima do montante consumido, por cabeça, nas famílias com renda mais alta; e consomem quantidade anual de feijão 39,5% superior à aquisição anual do mesmo produto pelas famílias com renda média mensal acima de R$ 6.000.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.