bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Ricúpero defende crescimento com estabilidade

O secretário-geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad), Rubens Ricúpero, defende uma mudança no enfoque da política econômica brasileira. Segundo ele, o País deve dar prioridade ao crescimento econômico e não apenas se preocupar com a manutenção da estabilidade.Ricúpero, ex-ministro no governo Itamar Franco e mencionado como um dos prováveis ministros da Fazenda caso o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, saia vencedor nas eleições presidenciais deste ano, se recusa a falar sobre a possibilidade de integrar um futuro governo. "Sobre esse tema eu não comento", afirmou.Mesmo assim, ele não deixa de dar recomendações. Para o secretário-geral, os juros devem cair, possibilitando maior investimento no País. "A política que tivemos até agora não ajudou. Temos de voltar a adotar políticas econômicas que dêem possibilidade para que o País volte a crescer", disse o ex-ministro da Fazenda em meados dos anos 90 e um dos pais do Plano Real.Segundo ele, o atual governo somente olha para o curto prazo e adota medidas que favorecem apenas a estabilidade. "Crescer é o caminho e não adianta apenas ter indicadores estáveis", afirmou. Para ele, sem um plano de crescimento, não há como obter o aumento das vendas externas, como quer o governo. "Está provado, em estudos, que as exportações aumentaram mais nos períodos em que o País cresceu", disse. O segredo para o Brasil, nos próximos anos, na avaliação do secretário-geral, será "redescobrir como crescer com estabilidade".No que se refere à pressão sobre o câmbio nos últimos dias, Ricúpero acredita que o País passará por uma série de turbulências até a eleição presidencial. "Isso é normal. Os investidores não gostam de incertezas", afirmou. Ele também lembra que o ambiente econômico internacional não ajuda o Brasil. "Estamos em um momento de instabilidade mundial, o que se soma à situação particular do País".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.