Ricupero diz que só crescimento de 6% absorve desempregados

O ex-ministro da Fazenda, Rubens Ricupero, secretário geral da Conferência da ONU para Comércio e Desenvolvimento, acredita que somente um crescimento econômico da ordem de 5% a 6% ao ano será capaz de absorver o alto índice de desemprego do Brasil, hoje em 13% da População Economicamente Ativa (PEA).Ricupero afirmou que é justamente na questão do emprego que está a raiz do atual conflito no campo. A reforma agrária, argumenta, é um problema econômico porque os sem-terra são trabalhadores que não têm emprego nem na indústria e nem no setor de serviços. Para ele, afirmou o ex-ministro, a única alternativa é um lote de terras que possibilite a construção de um barraco e a execução de algum trabalho. De acordo com o ex-ministro, a recuperação das exportações brasileiras nos últimos meses é resultado apenas da recessão interna. O nível de capacidade ociosa na maioria dos setores exportadores é muito baixo, o que mostra que se houver uma retomada do consumo interno, as encomendas para o exterior não poderão ser atendidas. As exceções são os setores automobilísticos, siderúrgicos e papel e celulose. Essa situação é reflexo da falta de investimento industrial nos últimos 20 anos, e os investimentos em produção eqüivalem a apenas 18% do PIB, valor muito abaixo dos padrões internacionais. "Exportar sem investir não leva ao desenvolvimento econômico", ressaltou. O secretário geral da ONU criticou o fato de haver no País muito mais discussões sobre negociações comerciais internacionais do que na busca para reduzir a baixa capacidade ociosa. "Há 50 seminários por ano sobre negociação, mas nenhum sobre a nossa capacidade de oferta", ironizou o ex-ministro. E foi além: "Só podemos negociar aquilo que temos para vender. E gostaria de lembrar que nenhum país se desenvolveu até hoje tendo apenas a agricultura como base econômica", criticou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.