Rigor alemão eleva desconfiança e dólar tem 5ª alta ante o real

A s medidas isoladas da Alemanha no sistema financeiro, deixando no ar a sensação de que há fragilidades entre os bancos alemães, mantiveram o temor ao risco e a credibilidade do euro em debate ontem. Rumores de que o Banco Central Europeu prepara

Cenário: Taís Fuoco, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2010 | 00h00

medidas para reverter a forte queda da moeda única do bloco levaram a um ajuste de posições entre aqueles que apostavam contra o euro, mas não impediram que o dólar marcasse sua quinta alta consecutiva ante o real.

No encerramento dos negócios à vista, o dólar subiu 0,82%, a R$ 1,8370 no balcão. Em cinco dias de alta, a moeda acumula ganho de 3,49%, enquanto no mês sobe 5,76% e, em 2010, 5,39%.

O mercado ainda tenta assimilar os efeitos da proibição, por parte da Alemanha, da venda a descoberto de títulos, enquanto teme que a medida também seja seguida por outras nações do bloco. Há expectativa de novas medidas nesse sentido e ainda muito temor sobre o euro, disse um analista. Por isso, por mais que o cenário no Brasil seja confortável, o mercado local acaba sendo afetado.

A Bovespa caiu 1,89%, aos 59.689,32 pontos, menor nível desde os 59.263,86 de 15 de setembro do ano passado. Essa foi a quinta baixa seguida, período em que recuou 8,48%. No mês, as perdas atingem 11,61% e, no ano, 12,97%. O giro financeiro foi significativo, de R$ 8,776 bilhões.

Os juros de curto prazo ficaram estáveis e os de longo prazo caíram mais. A taxa para julho de 2010 permaneceu em 9,75% e para janeiro de 2011 recuou para 10,98%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.