Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Rio aprova projeto que endurece regras para pensão de servidores

Ainda não há consenso, porém, sobre teto de gastos, outra medida necessária para a apresentação de um plano de recuperação fiscal à União

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2017 | 19h11

RIO - A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou por 40 votos a 19 o texto-base do projeto de lei que altera as regras para a concessão de pensões pelo Rioprevidência e os benefícios da pensão por morte dos servidores públicos fluminenses. Ainda não há consenso, porém, sobre o teto de gastos para o Estado, uma das medidas necessárias para que o governo apresente seu plano de recuperação fiscal à União.

A mudança é vista pelo governo, autor da proposta, como mais um passo para equacionar no longo prazo a situação financeira do Estado. Do rombo de R$ 26 bilhões esperado para 2017 no Rio, a previdência responde sozinha por R$ 12 bilhões. Para a oposição, o projeto é um retrocesso no que tange aos direitos dos servidores.

União vai bloquear mais R$ 109,5 milhões das contas do Rio

O texto do Executivo foi alvo de 255 emendas. No fim das contas, a pressão preservou o pagamento de pensão para o dependente menor de idade de até 24 anos que esteja em curso universitário. O governo queria reduzir o teto a 21 anos. Também foi incluída no texto a unificação do calendário de pagamentos de benefícios a ativos, inativos e pensionistas.

A regra só poderá ser driblada em situação excepcional, como a calamidade financeira vivida hoje pelo Estado. A proposta que previa a convocação do aposentado por invalidez a qualquer momento para perícia pelo Rioprevidência foi rechaçada. Pelo novo texto, isso só poderá ocorrer uma vez por ano. O objetivo é coibir fraudes na concessão dos benefícios.

Tribunal rejeita contas de 2016 do governo Pezão em decisão unânime

Os servidores da segurança pública - policial civil, militar, bombeiros, agentes do serviço penitenciário e do Degase - conseguiram uma vitória com a aprovação do pagamento de um adicional de 100% na pensão paga em caso de morte em serviço. As mudanças no texto final foram definidas pouco antes do início da sessão e discutidas rapidamente pelos deputados no próprio plenário da Alerj. Em função disso, os deputados terão até às 18h de amanhã para sugerir modificações em caso de erro e o projeto só será publicado no Diário Oficial na sexta-feira.

O objetivo inicial do projeto era alinhar algumas diferenças entre as regras dos regimes de previdência estaduais com as do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) - que trata dos servidores federais. Um primeiro texto chegou a ser apresentado em 2015, mas acabou saindo de pauta.

Teto de gastos. Ontem os deputados aprovaram a adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), criado mês passado em lei federal. Após a sanção pelo governador Pezão, o Rio ainda terá de firmar o plano de recuperação com o governo federal. Com a aprovação da adesão e das alterações nas regras de pensão, ficaria pendente a discussão do projeto que estabelecerá um teto de gastos para todos os poderes do Estado.

No entanto, deputados afirmam que não há consenso a respeito na casa. "Não há data nem consenso para a votação do teto de gastos. Achamos que tem que ter, mas não o projeto caduco enviado pelo governo", disse o deputado Luiz Paulo (PSDB). Já o deputado da base do governo Paulo Melo (PMDB) sinalizou que a aprovação da medida não é considerada imperativa.

"A questão do teto já foi acordada que não é uma imposição do acordo (com a União Federal), então isso não será votado agora. Se houver mínima boa vontade do governo federal o Rio já está apto a receber ajuda", afirmou. O secretário de Fazenda do Rio, Gustavo Barbosa, reconheceu em entrevista ao Broadcast que o saldo positivo para as contas do Estado ficará abaixo de R$ 62 bilhões em três anos, valor estimado no termo de compromisso firmado com o governo federal em janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.