Rio e SP tentam evitar futuros racionamentos de gás

Os governos estaduais do Rio de Janeiro e de São Paulo estão elaborando um conjunto de ações para evitar que a Petrobras lance novos planos de racionamento de gás natural no futuro, a exemplo do que esteve prestes a realizar desde a semana passada, com a redução do envio do combustível pela Bolívia. "Esta não é a primeira vez que passamos por isso. Já é a segunda situação em menos de um ano e, juntamente de Mauro Arce (da Secretaria de Energia de São Paulo) vamos elaborar planos emergenciais para serem adotados nestas ocasiões além de adotar medidas que evitem que cortes cheguem aos consumidores residenciais e de gás veicular", disse o secretário de Energia, Indústria Naval e Petróleo do Estado do Rio, Wagner Victer. Segundo ele, o planejamento em comum dos dois Estados será encaminhado ainda esta semana ao Ministério de Minas e Energia. Entre as principais ações propostas estão a identificação do número de consumidores que podem ser conversíveis a outro combustível, sem qualquer custo num momento de emergência, e ainda quais são os que não poderiam se converter por questões ambientais. "A partir desta identificação, teremos condições de acelerar procedimentos ambientais e até mesmo obter financiamentos com o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) para viabilizar a conversão para os casos mais difíceis", explicou Victer. Outros pedidos Outro pedido feito pelos dois governos, segundo o secretário, é que a Petrobras abra sua "caixa preta" e divulgue o volume de gás natural consumido em suas refinarias e o quanto pode ser convertido para óleo diesel ou combustível. Por último, o documento ainda reivindica que a estatal pratique uma espécie de desconto, pelo qual igualaria sua margem de lucro obtida sobre o diesel e sobre o gás. "Não é justo que o consumidor final pague a mais por uma situação que lhe foge o controle, que é a falta de um determinado combustível", explicou Victer, lembrando que a margem obtida pela estatal sobre o óleo diesel é maior do que sobre o gás.

Agencia Estado,

12 Abril 2006 | 14h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.