Wikimedia Commons
Wikimedia Commons

Rio paga nesta quinta parte dos salários de novembro, mas ainda deve outubro

Prestes a assinar um acordo de R$ 2,9 bilhões com o banco BNP Paribas, o governo fluminense quitará todos os salários atrasados de setembro e pagará parte dos de novembro

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2017 | 08h58

RIO - Prestes a vencer todas as exigências burocráticas para firmar o contrato do empréstimo de R$ 2,9 bilhões junto ao banco BNP Paribas, o governo do Estado do Rio quitará nesta quinta-feira, 14, todos os salários dos servidores de setembro e começará a pagar os salários de novembro das áreas que tem tido prioridade no pagamento. O anúncio foi feito em nota pela Secretaria de Estado de Fazenda.

++Delator diz que Pezão sabia de pagamentos irregulares na campanha de 2014

O salário de setembro estava atrasado para 25.287 servidores. O Estado do Rio gastará R$ 103,6 milhões com essa parte da folha. Já a parte da folha de novembro que será paga nesta quinta-feira é de R$ 922 milhões. Assim como tem ocorrido desde que o governo passou a data de pagamento para o décimo dia útil do mês subsequente, receberão os servidores ativos da educação e ativos, aposentados e pensionistas da área de segurança (policiais militares e civis, bombeiros, agentes penitenciários e funcionários vinculados). Ao todo, receberão 237.688 servidores.

Com isso, seguirão na fila para receber os salários de outubro 206.893 servidores ativos e inativos, o que representa R$ 576,7 milhões. Além disso, os salários de novembro seguirão pendentes para 211.638 servidores ativos, aposentados e pensionistas, em um total de R$ 619,6 milhões. O Estado do Rio deve ainda R$ 1,2 bilhão para 124 mil servidores ativos e 103 mil aposentados e pensionistas, referentes aos 13º salário de 2016.

VEJA TAMBÉM Governo federal critica Estados por mau uso de verba para cadeias

Principal medida de curto prazo do plano de recuperação fiscal firmado com o governo federal, o empréstimo de R$ 2,9 bilhões é considerado fundamental para colocar os salários em dia. A contratação final atrasou por causa de empecilhos burocráticos.

Um deles é a necessidade de concordância do Banco Mundial. O financiamento do BNP Paribas terá garantia da União, que cobrou como contragarantia do Rio as ações da Cedae, a estatal de saneamento. Só que 20% das ações da Cedae já haviam sido dadas em garantia, pelo governo fluminense, para um empréstimo antigo do Banco Mundial, que agora tem que aprovar a operação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.