Rio Tinto anuncia 1.100 demissões e corte na produção

Divisão de alumínio da mineradora vai cortar 6% de sua produção, com o objetivo de alinhá-la à demanda

Ana Conceição, da Agência Estado,

20 de janeiro de 2009 | 12h25

A mineradora anglo-australiana Rio Tinto informou nesta terça-feira, 20, que irá reduzir a produção global de alumínio em mais 6%, assim como demitir 1.100 pessoas em todo o mundo para reduzir custos e preservar seu caixa.  Veja também:Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  A Rio Tinto Alcan, divisão de alumínio da companhia, deverá reduzir a produção em 230 mil toneladas, em adição aos cortes que já tinham sido anunciados no quarto trimestre do ano passado. Assim, a produção total da divisão cairá para 450 mil toneladas, cerca de 11% de sua capacidade total. "Nosso objetivo é alinhar a produção com a demanda e reduzir o máximo possível nossos custos de operação", afirmou o executivo-chefe da Alcan, Dick Evans, em um comunicado. A companhia anunciou ainda o fechamento permanente da fundição Beauharnois, em Quebec, Canadá, uma redução temporária na refinaria Vaudreuil, no mesmo país, e a venda da sua participação na joint venture Alcan Ningxia, na China.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraEmpregoEmpresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.