Rio Tinto: China incentivará demanda por commodities

A nova agenda política chinesa proposta pela última reunião do Comitê Central do Partido Comunista Chinês vai incentivar uma demanda robusta por commodities nos próximos anos, afirmou o presidente da Rio Tinto Jan Du Plessis. Ele ressalta, no entanto, que ainda podem se passar semanas antes da compreensão completa sobre as implicações das mudanças sugeridas.

Agencia Estado

22 de novembro de 2013 | 04h03

"O documento é muito detalhado e é, portanto, difícil de medir quais são as implicações imediatas, mas o texto dá muitos sinais positivos, inclusive a promessa de abertura das fronteiras interiores e da reforma territorial", disse o chairman em um evento de negócios em Sidney.

Ele afirmou também que a economia europeia continua sofrendo com problemas estruturais. "As dificuldades econômicas pelas quais estão passando os países da periferia da Zona do Euro, especialmente os do sul da Europa, não devem ser subestimados", acrescentou du Plessis. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio TintoChinaCommodities

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.