Rio Tinto investirá US$2,15 bi para expandir mina em Corumbá

A Rio Tinto vai gastar 2,15 bilhões dedólares para ampliar a produção de sua mina de minério de ferroem Corumbá em mais de seis vezes, para garantir novos mercadosna América Latina e no Oriente Médio, disse a empresa naterça-feira. Com a expansão, a capacidade anual da mina passará de cercade 2 milhões de toneladas por ano para 12,8 milhões detoneladas. A nova produção deve começar no quarto trimestre de2010, disse a Rio Tinto em um comunicado. A Rio, que enfrenta uma oferta hostil de 150 bilhões dedólares da BHP Billiton, afirmou que está trabalhando em umestudo de viabilidade para a fase 2 da expansão na mina, queaumentará a capacidade para 23,2 milhões de toneladas por ano. Atualmente, a Rio produz a maior parte de seu minério deferro na Austrália e vende na Ásia, mas a expansão no Brasilpermitirá à empresa participar de mercados como América Latinae Oriente Médio e, ao mesmo tempo, ampliar sua presença naEuropa, disse ela. "Esse é um passo significativo à frente em nosso empenhopara ampliar as operações de minério de ferro para além daregião de Pilbara, em Austrália Ocidental", disse ochefe-executivo Tom Albanese. "O desenvolvimento de Corumbá reforça nossa habilidade deexpandir a capacidade rapidamente para responder à crescentedemanda onde quer que ela aconteça". A Rio Tinto, segundo maior grupo minerador do mundo emvalor de mercado após a BHP, tem alardeado suas própriasperspectivas de crescimento, já que evita a proposta deaquisição da BHP afirmando que não precisa de uma fusão paracontinuar competitiva. A BHP afirma que o casamento entre as duas empresas vaicriar 3,7 bilhões de dólares em sinergias, especialmente emsuas operações de minério de ferro na Austrália, mas a Rioafirma que a oferta desvaloriza a empresa. A Rio Tinto afirmou que quer aumentar a produção de minériode ferro para mais de 600 milhões de toneladas por ano, ante179 milhões em 2007.

REUTERS

29 de julho de 2008 | 12h47

Mais conteúdo sobre:
MINERACAORIOMINA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.