Rio Tinto: produção de minério em 2007 foi recorde

A mineradora anglo-australiana Rio Tinto anunciou hoje ter atingido um recorde de produção de minério de ferro e alumínio em 2007. A companhia disse ainda que esse crescimento deve se acelerar em 2008.Como a sólida performance do grupo no quarto trimestre seguiu em linha com as estimativas dos analistas, o resultado não deve despertar grandes alterações em suas previsões de lucro. O desempenho positivo não deve, também, dar espaço para que a concorrente BHP Billiton siga adiante com sua proposta de compra da empresa, por US$ 139 bilhões.A produção de minério de ferro da Rio Tinto cresceu 9% no ano passado, atingindo um recorde de 144,7 milhões de toneladas, com a expansão das operações em suas minas na região de Pilbara, na Austrália Ocidental, impulsionando esse avanço. No quarto trimestre, a produção de minério de ferro do grupo somou 38,96 milhões toneladas, registrando acréscimo de 11% em relação aos últimos três meses de 2006, e alta de 7% ante o terceiro trimestre de 2007.No último trimestre de 2007, a produção de alumínio da mineradora cresceu 287%, para 835,4 mil toneladas, enquanto a de alumina subiu 133%, para 1,85 milhões de toneladas, graças a aquisição da canadense Alcan, por US$ 38,1 bilhões."Com o registro de crescimento considerável nos segmentos de minério de ferro e alumínio e a contribuição da aquisição da Alcan, que levou a criação da maior produtora de alumínio do mundo, estamos prontos para ver uma aceleração desse crescimento em 2008", afirmou o executivo-chefe da companhia, Tom Albanese.Às 9h30 (de Brasília), as ações da Rio Tinto recuavam 3,72% na bolsa de Londres. Pela manhã, um diário australiano noticiou que a chinesa Baoshan Steel teria suspendido as negociações sobre preço do minério de ferro com as três maiores mineradoras do mundo. O executivo-chefe da divisão de minério de ferro da Rio Tinto, Sam Walsh, no entanto, nega que as conversações tenham sido interrompidas. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.