Hunter Kerhart/The New York Times
Hunter Kerhart/The New York Times

Risco climático acelera aposta de investidores em edifícios cada vez mais ‘verdes’

Novas tecnologias permitem rastrear a capacidade de um empreendimento de reduzir a sua pegada de carbono

The New York Times, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2021 | 05h00

Quando a incorporadora Lendlease inaugurar seu complexo residencial e de escritórios de US$ 600 milhões em Los Angeles, previsto para 2025, o local terá as características típicas do desenvolvimento sustentável: proximidade a uma parada de metrô, uma torre residencial totalmente elétrica, painéis solares e uma praça para pedestres.

Mas esses recursos são considerados comuns hoje em dia. O que torna este projeto mais impressionante é como a sustentabilidade não é simplesmente um item de bem-estar ou uma lembrança da responsabilidade corporativa, mas uma característica fundamental de seu plano de financiamento. 

“Já estávamos fazendo desenvolvimento sustentável antes que houvesse pressão dos investidores, mas agora essa pressão é real”, disse Sara Neff, chefe de sustentabilidade para a região das Américas na Lendlease.

O parceiro investidor da empresa para este projeto, a Aware Super, acompanhará o desempenho ambiental e as métricas, incluindo eliminação das emissões dos moradores através da aquisição de energia 100% renovável.

O projeto faz parte de um maior movimento de investidores direcionando dinheiro para imóveis sustentáveis, graças a novas tecnologias e padrões mais rígidos que permitem um melhor rastreamento da capacidade de um empreendimento de reduzir sua pegada de carbono.

Outros participantes do setor incluem Hudson Pacific Properties, dona da Epic, uma torre de escritórios com painéis solares em Hollywood, ocupada pela Netflix. E a Prologis, gigante industrial internacional, vende títulos verdes que financiam a construção de armazéns mais sustentáveis. 

Mudanças climáticas

Imóveis sustentáveis não são uma ideia nova. O Green Building Council tem promovido um desenvolvimento mais eficiente por quase três décadas através da certificação LEED, seu padrão para a sustentabilidade da construção.

O que mudou nos últimos anos é a percepção do risco associado às mudanças climáticas, levando investidores a direcionar o dinheiro para ativos verdes mais seguros e de alto desempenho. Novas ferramentas e padrões de medição os capacitam a elevar o padrão de desempenho ambiental e econômico.

“A contagem de carbono e o foco no carbono definirão a próxima década, sem dúvida”, disse Dan Winters, chefe para a região das Américas da GRESB, uma referência de sustentabilidade imobiliária usada para analisar US$ 5.3 trilhões em ativos em nível global.

Relatórios cada vez mais terríveis sobre desastres naturais mais frequentes – como enchentes e ventos fortes do furacão Ida, que causou cerca de US$ 27 bilhões a US$ 40 bilhões em prejuízos materiais no final de agosto e início de setembro, de acordo com a empresa de dados CoreLogic – vem insistindo para o entendimento de que a mudança climática está afetando o setor imobiliário muito mais cedo do que o esperado. Oitenta e oito por cento das grandes empresas já tiveram um ativo material, como um escritório ou depósito, afetado por condições meteorológicas extremas, de acordo com a Cervest, uma plataforma de IA que monitora o risco climático corporativo.

Bolsa

As incorporadoras estão vendo uma fome crescente por investimentos que se concentram em três áreas – ambiental, social e governança –, uma tendência que está canalizando capital muito importante.

Os fundos mútuos e os fundos negociados em Bolsa investiram quase US$ 300 bilhões em ativos sustentáveis globalmente em 2020, quase o dobro do ano anterior, de acordo com a BlackRock, a maior administradora de ativos do mundo. Em abril, a Invesco iniciou um fundo negociado em Bolsa para edifícios verdes, e um fundo imobiliário verde semelhante iniciado pela Foresight no ano passado mostrou retornos de dois dígitos.

“Cinco ou dez anos atrás, houve muito debate sobre sustentabilidade, de que ‘É bom, mas eu não quero pagar por isso’”, disse Stephen Tross, diretor de investimentos internacionais da Bouwinvest, empresa holandesa de investimentos que administra cerca de US$ 17 bilhões em ações com participações significativas na América do Norte. “Hoje, não se sacrifica retorno pela sustentabilidade, cria-se retornos com sustentabilidade.”

O surgimento de novas regulamentações – Nova York aprovou uma lei em 2019 exigindo que proprietários de edifícios reduzam suas pegadas de carbono e o estado de Massachusetts, recentemente, aprovou uma lei semelhante – aumenta o risco do não investimento em novos empreendimentos sustentáveis. / TRADUÇÃO DE ANNA MARIA DALLE LUCHE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.