Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Risco da JBS aumenta após delação premiada, e agência rebaixa nota de crédito

Moody’s reduziu rating da empresa, o que torna o crédito mais caro; para analistas, companhia pode ter dificuldades para vender ativos

José Roberto Gomes e Tânia Rabello, Broadcast

22 de maio de 2017 | 22h55

A crise que se abateu sobre a JBS, após o anúncio da delação premiada de seus sócios, os irmãos Joesley e Wesley Batista, já traz consequências sérias para o dia a dia da empresa. Nesta segunda-feira, 22, a agência de classificação de risco Moody’s rebaixou a nota da companhia de Ba2 para Ba3, com possibilidade de um novo rebaixamento. Na prática, significa que a empresa terá um pouco mais de dificuldade para ter acesso a crédito.

“O ‘downgrade’ reflete o aumento dos riscos relacionados a potenciais processos judiciais futuros; à governança da empresa e à liquidez, nos quais, atualmente, há visibilidade limitada”, disse a agência, justificando o rebaixamento. Para ela, esses riscos, além da elevada alavancagem (endividamento) financeira da JBS, justificavam um rebaixamento imediato do rating da empresa.

Para José Carlos Hausknecht, diretor da consultoria MB Agro, a questão do crédito, principalmente para a compra de bois, pode ser a maior restrição que a JBS vai enfrentar neste momento. Ele lembrou que a empresa já teria comunicado, na semana passada, que só compraria bois a prazo, o que seria uma dificuldade adicional nas negociações com os pecuaristas fornecedores da empresa.

Ele disse também ao Broadcast Agro que, em nível internacional, a obtenção de dinheiro novo pode ser prejudicada, e lembra a estratégia da companhia de se internacionalizar cada vez mais e de sua posição como principal exportadora de carne bovina do mundo. Contra a intenção da JBS de ampliar a presença em outros países já pesavam o alto endividamento da empresa e as implicações em várias investigações da Polícia Federal, destacou Hausknecht, além das suspeitas recentes, e que serão investigadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de manipulação de mercado de ações.

JBS PERDE R$ 7,5 BILHÕES EM VALOR DE MERCADO EM UM ÚNICO DIA

Ativos. Hausknecht ressaltou também que, se a JBS firmar um acordo de leniência com o Ministério Público Federal (MPF) – que propôs uma multa de R$ 11 bilhões, valor ainda em negociação –, pode ter de vender ativos, como aconteceu com a empreiteira Odebrecht. “Ela pode vender ativos tanto aqui quanto no exterior. Se vender aqui, há possibilidade de abrir espaço para outras companhias, como Marfrig e Minerva”, disse.

Para Alcides Torres, diretor-fundador da Scot Consultoria, porém, a venda de ativos pode esbarrar na falta de compradores com poder de fogo. “O Marfrig está com dificuldades, com dívidas de curto prazo e problemas de gestão. Já o Minerva é um frigorífico mais enxuto, não tem capital para fazer frente.”

Torres destacou ainda que a JBS tem forte contribuição no avanço das carnes brasileiras no exterior. “Seria uma pena o Brasil perder locais de escoamento. Seus donos devem ser punidos, mas não podemos deixar que essa empresa quebre, pois seria pior”, avaliou.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.