Risco de descontrole inflacionário não existe mais, diz BC

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse hoje que os dados mais recentes para expectativa de inflação nos próximos 12 meses, que ficam na média em 6,75%, estão em linha com a trajetória das metas ajustadas para 12 meses, de 7,2%. De acordo com ele, o esforço contra a inflação é continuado, mas o risco de descontrole inflacionário não existe mais. Ele afirmou que o BC está baseando suas ações no centro da meta para 2004, que é de 5,5%. Ele reafirmou que a inflação baixa é condição essencial para o crescimento e a distribuição de renda, e ressaltou que o Banco Central não poderia sancionar a inércia inflacionária: "Não o fizemos e não o faremos", afirmou. Meirelles, em apresentação no seminário Política Monetária: Choque e Eficácia, no Rio, lembrou que, no mesmo evento no ano passado sobre metas de inflação, alguns participantes chegaram a manifestar preocupação de que o seminário não seria realizado neste ano. Ele considerou também que a estratégia de definir metas ajustadas se mostrou bem-sucedida. Metas de longo prazo Meirelles disse que a trajetória de convergência da inflação para as metas de longo prazo, pela definição das metas ajustadas, levou em consideração três fatores: a meta de inflação (definida no governo FHC), os impactos inerciais da inflação de 2002 e o efeito primário do choque dos preços administrados por contrato e monitorados. Meirelles disse ainda que a trajetória para as metas ajustadas de inflação 12 meses à frente a partir de maio é de 7,2% e, a partir de junho, de 7%.

Agencia Estado,

11 Julho 2003 | 09h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.