Risco de deterioração para Japão é pequeno, diz Iwata

O vice-presidente do Banco do Japão, Kikuo Iwata, afirmou nesta quinta-feira que os riscos de deterioração para a economia do Japão são pequenos. Ele disse que a expansão do estímulo monetário no país não é necessária. De acordo com Iwata, serão tomadas medidas adequadas apenas se os riscos de deterioração se materializarem.

MARCELO RIBEIRO SILVA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Agencia Estado

06 de fevereiro de 2014 | 05h29

"Eu não estou muito preocupado com a economia norte-americana e, em termos de política monetária, acredito que nós podemos manter a nossa política atual", disse Iwata, em entrevista coletiva após reunião com líderes empresariais em Miyazaki, no sul do Japão.

O vice-presidente do BoJ afirmou que não é necessário mudar a política atual mesmo com os dados mais fracos publicados recentemente nos Estados Unidos. Iwata atribuiu a instabilidade do mercado aos dados fracos dos EUA e da China. Ele ainda afirmou que a fraqueza dos dados industriais norte-americanos podem ser explicados pelas baixas temperaturas que assolam o país. "Essa fraqueza dos dados industriais deve ser temporária", classificou Iwata.

Além disso, Iwata disse que é muito improvável que a economia norte-americana se deteriore. Sobre a meta da inflação, o vice-presidente do BoJ afirmou que não é possível prever em quanto tempo o índice de preços vai se estabilizar na meta de 2%.

Tudo o que sabemos sobre:
japãobojiwatacoletiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.