Risco de grandes flutuações no futuro é pequeno, diz Appy

O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, disse hoje que o risco de grandes flutuações macroeconômicas no futuro é muito pequeno, embora ele tenha admitido a existência deste risco. Ao discursar na solenidade de entrega do prêmio aos vencedores do Ranking Agência Estado/Economática, ele disse que o Brasil tem hoje as condições mais favoráveis para o crescimento sustentado das últimas décadas. Logo em seguida, ele minimizou possíveis impactos de crises, dizendo que isso deve ser considerado pelos empresários, ao avaliarem seus investimentos. "O risco de grandes flutuações macroeconômicas no futuro é muito pequeno. Esse risco existe, mas não é grande", afirmou. De acordo com ele, o bom desempenho das políticas fiscal e monetária, e das contas externas, além da estabilidade dos preços, criaram condições para essa estabilidade. "Hoje não precisamos fazer nenhum grande ajuste. Basta manter a política atual", completou Appy. O secretário disse que a gestão macroeconômica sustentada foi o foco do Governo Lula em 2003. Essa atuação possibilitou as condições favoráveis à retomada do crescimento. Hoje, segundo ele, a economia brasileira está claramente crescendo e os dados referentes ao nível de atividade de abril demonstrariam isso. Appy ponderou que ainda é um crescimento puxado pelas exportações e pelo aumento das linhas de crédito e também mais concentrado no interior do País do que nas regiões metropolitanas. "Este crescimento é consequência natural da política macroeconômica consistente." Segundo ele, a agenda macroeconômica do governo é mais fácil do que a agenda micro, que ainda tem muitos pontos a serem resolvidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.