Risco de inflação motivou alta do juro nos EUA, aponta ata

O risco de aceleração da inflação continuou a ser uma grande preocupação dos integrantes do Comitê de Mercado Aberto do Federal Reserve norte-americano (Fed) em sua última reunião, realizada em 1º de novembro. É o que mostra a ata da reunião, divulgada hoje. De acordo com o documento, as elevações de salários continuaram "modestas" em relação ao crescimento forte e contínuo da produtividade e "o núcleo da inflação permaneceu contido". Contudo , pesquisas feitas entre empresas e famílias sugeriam que os preços altos da energia estavam afetando a inflação mais ampla. "Havia o risco de que aumentos grandes e cumulativos nos preços da energia e dos derivados do petróleo ao longo do verão seriam repassados para os preços do núcleo dos índices", afirma o documento. Os participantes da reunião notaram, porém, que as expectativas de inflação de curto prazo cresceram notavelmente, embora as expectativas quanto à inflação no prazo mais longo tenham permanecido contidas. Efeito dos furacões O documento também diz que os participantes da reunião pensavam que a economia norte-americana continuava a crescer "num ritmo sólido", apesar dos danos causados pelos furacões Katrina e Rita, e que o crescimento econômico no curto prazo "provavelmente seria impulsionado por estímulos fiscais adicionais, em parte para dar apoio à recuperação e à reconstrução". Os integrantes do comitê também constataram que "a folga na capacidade produtiva provavelmente era bastante limitada" e que, nesse contexto, a política monetária "precisaria ser cada vez mais sensível aos próximos indicadores econômicos". As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

22 Novembro 2005 | 17h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.