Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Risco de rebaixamento dos ratings da Sabesp aumentou, diz Fitch

Segundo a agência, riscos de mais restrições no abastecimento de água aumentaram 'substancialmente', o que levanta incertezas sobre a capacidade da companhia de fornecer serviço completo e sustentar uma geração de fluxo de caixa em 2015

Danielle Chaves, Estadão Conteúdo

16 de março de 2015 | 18h01

Os ratings da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) permanecem sob pressão e um rebaixamento é cada vez mais provável dentro dos próximos dois meses se não houver uma recuperação nos níveis dos reservatórios de água, afirmou a agência de classificação de risco Fitch em relatório. A Sabesp é classificada com rating BB+ pela Fitch, com perspectiva negativa.

"Os riscos de o governo implementar mais restrições no abastecimento de água aumentaram substancialmente e destacam as incertezas relacionadas à capacidade da companhia de fornecer serviço completo e sustentar uma geração de fluxo de caixa operacional adequada em 2015", afirmou a Fitch.

A agência estima que o Ebitda da Sabesp pode diminuir até 40% neste ano, para cerca de R$ 2,5 bilhões, de R$ 4,0 bilhões em 2013, caso o nível do principal reservatório, o Cantareira, não se recupere significativamente dentro das próximas cinco a seis semanas. Segundo a Fitch, os principais reservatórios dificilmente vão se recuperar até o fim da temporada de chuvas, em meados de abril.

"A Fitch acredita que a Sabesp tem liquidez adequada, apesar de uma potencial perda no fluxo de caixa operacional em 2015", comentou a agência. Seria considerado positivo se a Sabesp implementasse medidas para proteger sua liquidez por meio da redução do plano de investimentos até que o fluxo de caixa operacional se normalize, acrescentou.

De acordo com a Fitch, um potencial aumento de tarifa não será suficiente para contrabalançar esse cenário fraco. "A companhia tem espaço limitado para contrabalançar a pressão sobre sua geração de fluxo de caixa por meio de reduções de custos e capacidade ainda menor de reduzir investimentos enquanto continua investindo para melhorar as operações e expandir a capacidade", afirmou a agência.

A Fitch observou ainda que as iniciativas para limitar os impactos operacionais da seca atual sobre suas atividades são positivas, mas provavelmente não serão suficientes para evitar uma deterioração de seu perfil de crédito.

Tudo o que sabemos sobre:
FitchSabespcrise hídrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.