Risco de recessão ainda preocupa economistas

O potencial recessivo dos cortes das despesas públicas continua longe de ser consenso entre economistas da União Europeia. O tema foi o centro das atenções da edição 2010 do fórum Rencontres Économiques, realizado na França. A dúvida dos experts diz respeito ao impacto do rigor, em especial nos programas sociais e nos investimentos e serviços públicos, no crescimento do PIB.

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2010 | 00h00

Entre os detratores da austeridade, o argumento mais comum é de que a contração das despesas vai limitar os investimentos e a demanda estatal, gerando um novo freio ao crescimento da atividade e o risco de crescimento em W. Nesse sentido, os planos contribuiriam para a perspectiva de uma década de recessão ou de baixo crescimento na Europa, advertência feita tanto por economistas liberais, como Nouriel Roubini, como por economistas do espectro político oposto, como Jacques Attali, ex-conselheiro econômico do presidente socialista François Mitterrand.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.