Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Risco de superaquecimento do Brasil caiu, mas não está controlado, diz FMI

Relatório Perspectiva Econômica Mundial aponta que o crédito elevado e o crescimento das importações sugerem que os riscos de superaquecimento poderiam ressurgir

Luciana Antonello Xavier, correspondente,

17 de abril de 2012 | 10h34

Em documento divulgado nesta terça-feira, 17, o Fundo Monetário Internacional (FMI) diz que a política monetária do Brasil já foi relaxada e que os riscos de superaquecimento recuaram, o que não significa que o País esteja numa situação sem ameaças.

"O crédito elevado e o crescimento das importações sugerem que os riscos de superaquecimento não estão completamente sob controle e poderiam ressurgir se o fluxo de capital retornar aos níveis anteriores", afirma o Fundo, no relatório Perspectiva Econômica Mundial" (WEO, na sigla em inglês), referindo-se aos patamares vistos antes de haver nova piora no cenário global.

O FMI prevê que a inflação no Brasil, medida pelo índice de preços ao consumidor, ficará em 5,2% neste ano e em 5% em 2013, em comparação com 6,6% em 2011. Para o crescimento econômico, a projeção é de expansão no Produto Interno Bruto (PIB) de 3,0% em 2012 e de 4,1% em 2013.

Segundo o FMI, o desafio dos países emergentes é calibrar adequadamente as políticas para gerenciar os riscos negativos vindos da zona do euro. Ao mesmo tempo, essas economias devem tratar das pressões vindas de atividade forte, crescimento do crédito, superaquecimento, fluxos de capitais voláteis, preços ainda elevados das commodities e renovados riscos à inflação e às posições fiscais.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIriscoBrasilsuperaquecimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.