Riscos ao utilizar site com serviço bancário

O número de serviços e negócios oferecidos pela Internet continua crescendo. A novidade do momento são os serviços criados por alguns portais financeiros que agregam em um só ambiente da Internet saldos de conta corrente, cartão de crédito, poupança, investimentos, FGTS e conta telefônica, além de mensagens de e-mail. Mas ocorre que, para ter acesso ao serviço "agregador de contas", os clientes precisam cadastrar todos os seus dados pessoais no site. No caso de conta bancária, por exemplo, é preciso informar o número da conta e a senha que dá acesso ao serviço. Os responsáveis pelos sites afirmam que os programas são protegidos por fortes sistemas de segurança e que o cliente não tem o que temer.Esses novos produtos possibilitam ao cliente criar sua própria carteira, ou seja, escolher quais as informações que deseja receber naquele ambiente, se saldo de conta corrente, cartão de crédito, etc. Ao entrar no site e informar o nome do usuário e a senha, todas as informações, de diferentes instituições, estarão disponíveis na tela.RiscosA adesão ao serviço que reúne todas as contas em apenas um site ainda esbarra no medo que as pessoas têm de informar suas senhas na Internet. Segundo o diretor-geral da C&M Software, Orli Machado, quando dispõe suas informações bancárias para terceiros, o cliente maximiza seus riscos. Isso porque o perigo de ter o sistema atacado por um hacker existe tanto no home banking da instituição onde se tem conta como no site financeiro, explica. "Além disso, a concentração de informações em um mesmo local, como número do cartão, conta corrente, poupança, é perigosa." Mas isso vai depender do sistema de segurança adotado pelo portal, completa Machado. Os responsáveis pela programação dos sites dizem que as senhas são criptografadas, ou seja, possuem um sistema de segurança que reconhece os números por símbolos, o que dificulta o trabalho dos hackers. Segundo Augusto Medeiros do InvestShop, o site possui seis sistemas de segurança. "Nosso programa é igual ao usado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos", argumenta. O Zona Financeira também diz ter investido pesado no sistema de segurança do site. Segundo o diretor da página, Oswaldo Valinote, o serviço já tem 55 mil clientes cadastrados.Dicas"Para garantir a segurança, o internauta deve evitar sites desconhecidos, dando preferência para websites de empresas estabelecidas", aconselha Celso Leite, diretor de Auditoria e Segurança de Sistemas da Ernst & Young. Segundo ele, as grandes empresas apresentam no próprio site uma política de privacidade e segurança, o que permite que o visitante saiba se os seus dados serão mantidos em sigilo. "Além disso, ao passar dados confidenciais como CPF, números do cartão de crédito e da conta corrente, a pessoa precisa verificar se está atuando em um ambiente de segurança", completa Leite. Ele explica que, para garantir que as informações passadas não sejam vistas por terceiros, os dados recebidos pelas empresas devem ser criptografados. Quando o site possui esse sistema, dois indicadores aparecem na tela: o endereço da página começa com https (em vez de http) e há um cadeado ou uma chave no rodapé da página

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.