Riscos e ganhos devem ser bem dosados
Conteúdo Patrocinado

Riscos e ganhos devem ser bem dosados

Entenda as diferenças entre renda fixa e variável

Estadão Blue Studio, O Estado de S.Paulo
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

25 de abril de 2021 | 07h00

A diferença básica entre renda fixa e variável é bem fácil de entender. Renda fixa são modalidades de investimento com alto nível de previsibilidade, o que dá ao investidor a segurança de que seu patrimônio será preservado. Já a renda variável envolve certo nível de risco em troca da perspectiva de maior rentabilidade – sem, contudo, a garantia de que isso realmente ocorrerá.

Um dos ícones da renda variável é o mercado de ações, que vem atraindo uma legião de novos seguidores no Brasil. O número de contas na B3, a Bolsa de Valores do País, aumentou mais de seis vezes nos últimos cinco anos, saltando de 550 mil em 2016 para os atuais 3,5 milhões. Ainda assim, o potencial de crescimento continua imenso: apenas 1,6% da população brasileira já está investindo na Bolsa, ante 52% nos Estados Unidos.

Essa nova paixão se explica, em parte, pelo cenário de juros baixos, o que impactou fortemente a atratividade de investimentos conservadores, como poupança e CDB. Mas a promessa de bons rendimentos não explica completamente o fenômeno, como revelou recente pesquisa da B3 com os recém-chegados à Bolsa. “Aprender sobre outras modalidades de investimento foi a principal motivação citada por 38% deles, contra 33% que se disseram interessados acima de tudo em obter maior rentabilidade”, diz Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Cliente-Pessoa Física da B3.

O interesse pelo aprendizado vem sendo percebido no dia a dia pelas corretoras. “Além do afluxo de novos clientes direcionado à Bolsa, notamos também uma demanda crescente por conteúdo educacional e por produtos mais sofisticados, como derivativos”, reforça Sérgio Moreira Franco, head de Produto de Renda Variável na Órama.

Os especialistas recomendam que investidores iniciantes só entrem na Bolsa depois de construir uma base de renda fixa, com alta liquidez – um dinheiro para ser usado imediatamente em caso de emergências. Só depois dessa etapa é hora de pensar em renda variável, um investimento de longo prazo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.