Riscos são os mais sérios na 'memória recente', diz Paulson

Ele defende que todos governos devem agir juntos e individualmente para enfrentar o agravamento da crise

CYNTHIA DECLOEDT, Agencia Estado

11 de outubro de 2008 | 14h02

O secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson, disse neste sábado, 11, que os governos em todo o mundo devem agir juntos e individualmente para enfrentar o agravamento da crise. "Os riscos para o ambiente econômico global são os mais sérios e mais desafiadores na memória recente", afirmou Paulson no texto de seu discurso feito ao comitê de política do Fundo Monetário Internacional (FMI). "Estes eventos extraordinários exigem resposta global e as autoridades financeiras de todo o mundo estão trabalhando juntas, tomando medidas individualmente e coletivamente, conforme o necessário, para enfrentar estes desafios", disse Paulson.O secretário do Tesouro dos EUA afirmou que o foco deve recair sobre cinco áreas: liquidez, proteção ao capital dos investidores, respostas macroeconômicas e ambiente regulatório.Entretanto, Paulson advertiu que o FMI deveria ater-se à sua principal missão e não buscar alternativas "criativas" para ampliar o acesso aos empréstimos do fundo. "Estamos céticos em relação às propostas para elevação relevante ao nível de acesso aos empréstimos", afirmou Paulson, acrescentando que a relevância dos empréstimos do fundo vem da "definição dos caminhos de ajuste e do papel que desempenha de estimulador, não por preencher necessidades financeiras". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criseFMIPaulson

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.