coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Ritmo de alta se acelerou no ano passado

Preço médio da terra agrícola do País subiu 15% em 2013, superou a inflação e bateu aplicações financeiras

O Estado de S.Paulo

10 de março de 2014 | 02h07

O preço médio das terras agrícolas brasileiras em 2013 subiu num ritmo mais acelerado do que nos últimos dez anos e ultrapassou de longe a inflação. Para uma alta de 14,9% no preço médio da terra registrado em 2013, a valorização real foi de 8,8%. Isto é, descontada a inflação de 5,52% apurada pelo IGP-DI.

Comparado às aplicações financeiras, o ganho com terras também foi polpudo e superou em 2013 o desempenho do ouro (-17,2%), das ações (-15,5%) e das aplicações em Certificado de Depósito Bancário - CDB (8,02%). Só o dólar ficou à frente da terra em 2013 e, mesmo assim, com uma pequena vantagem (0,3 ponto porcentual).

Quando se avalia o desempenho médio das terras em dez anos até 2012 e em 2013, constata-se que houve no ano passado uma aceleração no ritmo de alta dos preços. Entre 2002 e 2012, os preços tinham subido 12,6%, em média, por ano, aponta a pesquisa da Informa Economics /FNP. Mas só no ano passado, a valorização foi de 14,9%.

A consultoria destaca que a aceleração no ritmo de elevação de preços ocorreu em 2013 apesar do arrefecimento na alta das cotações das principais commodities agrícolas.. "Tínhamos dúvidas se o ritmo de valorização da terra iria se manter. Mas, em 2013, a alta foi ainda maior do que a média de anos anteriores", diz o diretor da consultoria, José Vicente Ferraz.

A médio e longo prazo, ele acredita que os preços das terras agrícolas brasileiras vão continuar subindo acima da inflação, porém num ritmo menor do que o dos últimos anos, porque não é possível manter uma valorização tão forte por muito tempo. Além disso, a demanda por comida está acelerada. / M.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.