finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ritmo de alta se acelerou no ano passado

Preço médio da terra agrícola do País subiu 15% em 2013, superou a inflação e bateu aplicações financeiras

O Estado de S.Paulo

10 de março de 2014 | 02h07

O preço médio das terras agrícolas brasileiras em 2013 subiu num ritmo mais acelerado do que nos últimos dez anos e ultrapassou de longe a inflação. Para uma alta de 14,9% no preço médio da terra registrado em 2013, a valorização real foi de 8,8%. Isto é, descontada a inflação de 5,52% apurada pelo IGP-DI.

Comparado às aplicações financeiras, o ganho com terras também foi polpudo e superou em 2013 o desempenho do ouro (-17,2%), das ações (-15,5%) e das aplicações em Certificado de Depósito Bancário - CDB (8,02%). Só o dólar ficou à frente da terra em 2013 e, mesmo assim, com uma pequena vantagem (0,3 ponto porcentual).

Quando se avalia o desempenho médio das terras em dez anos até 2012 e em 2013, constata-se que houve no ano passado uma aceleração no ritmo de alta dos preços. Entre 2002 e 2012, os preços tinham subido 12,6%, em média, por ano, aponta a pesquisa da Informa Economics /FNP. Mas só no ano passado, a valorização foi de 14,9%.

A consultoria destaca que a aceleração no ritmo de elevação de preços ocorreu em 2013 apesar do arrefecimento na alta das cotações das principais commodities agrícolas.. "Tínhamos dúvidas se o ritmo de valorização da terra iria se manter. Mas, em 2013, a alta foi ainda maior do que a média de anos anteriores", diz o diretor da consultoria, José Vicente Ferraz.

A médio e longo prazo, ele acredita que os preços das terras agrícolas brasileiras vão continuar subindo acima da inflação, porém num ritmo menor do que o dos últimos anos, porque não é possível manter uma valorização tão forte por muito tempo. Além disso, a demanda por comida está acelerada. / M.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.