carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Ritmo de queda do varejo supera as previsões

Abril registrou recuo generalizado das vendas do comércio varejista, abrangendo 8 dos 10 segmentos analisados na Pesquisa Mensal de Comércio do IBGE e superando as projeções da maioria dos analistas. Tendo como maior exceção a variação mensal das vendas de hiper e supermercados, alimentos, bebidas e fumo, as receitas do comércio varejista restrito, que exclui veículos e material de construção, caíram 0,4% entre abril e maio, 3,5% entre abril de 2014 e abril de 2015 e 1,5% entre os primeiros quadrimestres de 2014 e de 2015. Ainda piores foram os dados do comércio varejista ampliado (-0,3% no mês, -8,5% entre abril de 2014 e 2015 e -6,1% no ano). Se entre março e abril as vendas de veículos chegaram a crescer 4,4%, num resultado fora da curva, elas caíram 19,5% em relação a abril de 2014 e 16% neste ano. Das 29 montadoras de veículos, 15 já paralisaram ou preveem parar parcial ou totalmente a produção de fábricas, elevando o número de trabalhadores em férias ou em lay off, ante a redução à metade do uso da capacidade instalada. Foi o pior resultado para um mês de abril desde 2003, quando as vendas do varejo restrito caíram 3,7% em relação às de abril de 2002, em plena fase de ajustes do primeiro ano do governo do PT. O cenário é corrosivo: juros reais altíssimos afastam os consumidores do crédito ao consumo, pois é preciso concentrar os esforços no pagamento das prestações da casa própria. Por isso é muito atingida a venda de veículos, motos e bens de consumo durável. Poucos itens escaparam das quedas, como artigos farmacêuticos, cuja alta de preços sustenta a receita das vendas. A recuperação mensal do varejo de alimentos e supermercados também pode ser explicada pela alta de preços. Quando se comparam os últimos 12 meses até abril, com os 12 meses anteriores, ainda há uma elevação de vendas, mas de apenas 0,2% no varejo restrito, e uma queda de 4,1% no varejo ampliado. É muito provável que o recuo das vendas no comércio varejista resulte, dentro de alguns meses, em queda de preços, contribuindo para refrear os patamares ainda muito elevados dos índices gerais de inflação. É a leitura mais positiva do que ocorre hoje na atividade varejista.

O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2015 | 02h05

Mas, até que isso aconteça, a economia deverá seguir um ajuste doloroso, com aumento do desemprego, menos PIB e menos renda real, em detrimento de trabalhadores e consumidores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.