Ritual de passagem de controle ao Casino pode levar até 60 dias

Abilio Diniz tem até 21 de agosto para exercer a opção de vender lote de ações da holding que controla o Pão de Açúcar

CÁTIA LUZ , NAIANA OSCAR, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2012 | 03h05

O ritual de passagem do controle do Grupo Pão de Açúcar (GPA) começa hoje às 9h, na sede da empresa, em São Paulo, e pode se estender até o dia 22 de agosto. O desfecho vai depender de uma decisão de Abilio Diniz de vender aos franceses um porcentual de suas ações na holding que controla o grupo. Se não o fizer nos próximos 60 dias, ele será obrigado a vender uma única ação ao sócio Casino - o que já lhe tira o controle da empresa.

O que acontece hoje no prédio da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio são mudanças na governança corporativa do GPA, que servem de gatilho para a transferência de controle e, como são irreversíveis, já estão sendo encaradas como a transferência de fato.

O dia será marcado por uma sequência de reuniões. A primeira delas, do conselho de administração da Wilkes, holding que controla o GPA, vai oficializar a substituição de Abilio Diniz pelo francês Jean-Charles Naouri na presidência do conselho. Em seguida, às 11h, os conselheiros, já sob o comando do presidente do Casino, vão definir seus votos para a reunião do conselho de administração do Grupo Pão de Açúcar, que começa às 14h e tem Abilio como presidente.

A reunião vai definir os conselheiros do GPA. A nova composição contará com 15 nomes - em vez dos 14 atuais. Os franceses terão direito a oito cadeiras no conselho - três a mais do que já tinham e para as quais indicaram o economista Eleazar de Carvalho Filho, o diplomata Luiz Augusto de Castro Neves e o executivo Roberto Oliveira de Lima. A família Diniz perde dois nomes e passa a contar com três conselheiros. Segundo o Estado apurou, ficam Abilio, sua mulher Geyze Marchesi Diniz e seu filho Pedro Paulo Diniz. E saem dois de seus filhos: João Paulo e Ana Maria. No início do mês passado, Abilio deixou de ser membro do conselho de administração do Casino.

Processo. O dia de hoje marca o início de um processo para a transferência das ações. Casino e Abilio são sócios controladores da Wilkes - cada um com 50% das ações com direito a voto da holding. Abilio tem até as 18h do dia 21 de agosto para exercer a opção de vender para o Casino pelo menos 2,4% das ações ordinárias da Wilkes, que representam 0,4% das ações ordinárias do GPA.

Caso isso não ocorra, os franceses exercerão o direito de comprar, no dia 22, uma ação ordinária da holding pelo valor simbólico de R$ 1, ficando majoritários na Wilkes.

No contrato firmado em 2005, o lote de papéis a ser vendido por Abilio já tem o preço definido: US$ 10,5 milhões. Segundo cálculo de analistas, considerando o valor de mercado atual, essa mesma participação valeria hoje US$ 40 milhões. "Optar pela venda seria um mau negócio para Abilio. A expectativa é de que ele continue como um acionista relevante do grupo", afirma o analista. Se optar por se desfazer dos 2,4% até agosto, Abilio poderá vender o restante das ações para o Casino entre 2014 e 2022. Um banco será contratado para estabelecer o preço dessas ações segundo uma fórmula que já foi definida previamente em contrato.

Abilio tem o direito de permanecer como presidente do conselho de administração do Grupo Pão de Açúcar e de indicar o presidente executivo da companhia, escolhendo o nome a partir de uma lista tríplice definida pelo Casino. Ele tem o direito também de vetar reestruturações societárias do GPA ou da holding.

Fontes próximas a Abilio afirmam que, se ele continuar como acionista relevante do grupo fundado por seu pai nos anos 40, deve incomodar o majoritário Casino, adotando a postura de um minoritário atuante, que fará questão de acompanhar todos os passos dos franceses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.