Rival de Merkel pede mais ajuda para Grécia

O principal candidato da oposição à vaga de chanceler da Alemanha, Peer Steinbrueck, expôs uma delicada posição sobre a Grécia neste domingo, dizendo que Atenas precisa de mais tempo para reformas e não deve ser jogada para fora da zona do euro.

GARETH JONES, Reuters

30 de setembro de 2012 | 17h52

O partido de oposição, o Social Democrata, nomeou Steinbrueck na sexta-feira como seu candidato a chanceler, lançando uma campanha eleitoral que com certeza deve ser dominada pela crise da zona do euro e os seus custos crescentes para os contribuintes alemães.

Pesquisas de opiniões mostraram que alemães se opõem a dar mais dinheiro para países como a Grécia, mas mostram ampla confiança de que Merkel irá saber lidar com a crise, dificultando os ataques da oposição.

Steinbrueck, que serviu como ministro das Finanças em um governo de coalizão liderado pelos conservadores em 2005-09, disse ao jornal Die Welt Am Sonntag que os alemães devem estar prontos para fornecer ajuda para a Grécia no futuro.

"No caso da Grécia, não podemos apertar os parafusos mais. Os gregos devem honrar os seus compromissos, mas devemos também dar-lhes mais tempo", disse ele.

"E a chanceler (Angela Merkel) deve finalmente dizer ao povo alemão a verdade: a Grécia não vai ser capaz de emprestar dinheiro no mercado de capitais nos próximos sete ou oito anos Vamos ter que ajudá-lo a até então", acrescentou.

O governo de Merkel tem sido publicamente frio sobre a ideia de dar mais tempo a Grécia ou o fornecimento de ajuda internacional adicional.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROALEMANHAOPOSICAOGRECIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.