Roche compra InterMune por US$ 8,3 bi

Essa é a maior aquisição da farmacêutica suíça desde 2009; objetivo é reforçar a área de medicamentos para doenças respiratórias

O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2014 | 02h03

A farmacêutica suíça Roche chegou a um acordo para adquirir a empresa norte-americana de biotecnologia InterMune por US$ 8,3 bilhões. A operação vai fortalecer a área de remédios para doenças respiratórias da Roche, com o medicamento pirfenidona, que atua no combate à fibrose pulmonar idiopática.

A aquisição é a maior feita pela companhia desde 2009, quando adquiriu a participação remanescente no grupo norte-americano Genentech, por US$ 47 bilhões. A empresa com sede em Basel, na Suíça, busca acompanhar o ritmo de rivais, como a também suíça Novartis e a britânica GlaxoSmithKline, que, neste ano, fecharam acordos de mais de US$ 20 bilhões.

"Nos concentramos em aquisições direcionadas que realmente complementam nosso portfólio, em vez de tentar diversificar ou entrar em mega fusões", explicou Severin Schwan, executivo-chefe da empresa, em entrevista coletiva.

A oferta da companhia suíça, de US$ 74 por ação, representa um prêmio de 38% sobre o fechamento das ações da InterMune na sexta-feira e de quase 63% sobre o preço de agosto - antes de começarem especulações de que a empresa norte-americana estava prestes a ser comprada. Segundo a Roche, a diretoria da InterMune já recomendou a aprovação da compra aos acionistas.

Estratégia. O acordo é mais um passo da farmacêutica suíça para se diversificar e desenvolver medicamentos para além da área do câncer, em que é líder mundial, expandindo para outros campos, como a medicina respiratória.

O medicamento pirfenidona, da InterMune, é comercializado na Europa, Canadá, Japão e China, sendo que atualmente as autoridades dos Estados Unidos estão estudando sua liberação no país - que deve ser concluída até novembro.Além da pirfenidona, a InterMune não tem nenhum outro medicamento registrado nem em fase de análises clínicas, embora esteja realizando testes pré-clínicos sobre outro tratamento para fibrose.

A Roche tem capacidade de sobra para pagar pelo acordo. Antes do anúncio, a companhia estava planejando registrar uma posição de caixa líquida no próximo ano, após pagar as dívidas feitas quando comprou a Genentech.

No mês passado, a empresa adquiriu a norte-americana Seragon Pharmaceuticals por US$ 1,7 bilhão. A Roche tem uma geração de fluxo de caixa livre de quase US$ 14 bilhões por ano, antes de dividendos. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.