Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Rodovias em situação precária encarecem o frete na região

Cerca de 200 quilômetros entre Redenção e Eldorado dos Carajás estão em condições intrafegáveis

ANDRÉ BORGES, ENVIADO ESPECIAL, REDENÇÃO E ELDORADO DOS CARAJÁS (PA)

20 de setembro de 2014 | 16h18

 As condições de uma estrada de terra podem ser infinitamente melhores que as de uma rodovia asfaltada. Essa é a lição ensinada a quem cruza o trecho da BR-155 entre Redenção e Eldorado dos Carajás, no Estado do Pará. 

A situação é de total abandono. Cerca de 200 quilômetros do percurso estão em condições absolutamente intrafegáveis. Caminhões, ônibus e carros são obrigados a fazer um zigue-zague constante para desviar das crateras abertas no asfalto. O risco de acidente é alto por causa das pedras de concreto espalhadas no caminho. 

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) trabalha na pavimentação de aproximadamente 50 km da rodovia, nas proximidades de Redenção. A BR-155 passou a ser uma responsabilidade da autarquia federal em 2010, quando ainda se chamava PA-150. O desleixo com a maior parte do traçado, segundo o Dnit, é resultado da falta de compromisso do governo paraense com a manutenção da estrada.

“A BR-155 era um flagelo de buracos, uma rodovia estadual que não recebeu o pavimento adequado. Jogavam um asfaltozinho lá e chamavam de estrada. Agora, nós estamos resolvendo isso, mas esse processo demora um tempo”, diz o diretor-geral do Dnit, general Jorge Fraxe. A federalização da rodovia, segundo ele, atendeu a um pedido feito pelo governo do Pará, que não queria mais cuidar da estrada. 

Para complicar mais a situação, nesta época do ano a BR-155 é marcada por queimadas em seu entorno. Durante a viagem, o [BOLD]Estado[/BOLD] cruzou vários focos de incêndio, onde o fogo avança até o asfalto, em pontos onde não há manutenção. Em algumas situações, caminhões e carros são obrigados a parar e aguardar o fim das labaredas. “Todo mundo tem evitado subir pela BR-155 por causa das condições da estrada. Quem vai tem que estar disposto a tudo”, diz Leonir Rosseto, que planta soja há 18 anos na região de Redenção. 

O Dnit informou que já garantiu investimentos de R$ 315,8 milhões para a recuperação da BR-155 e que parte desses recursos está em execução. Outros R$ 191,2 milhões serão investidos na BR-158, em trechos de Mato Grosso e Pará.

Os pesadelos da rota do Araguaia repercutem no frete cobrado por quem se aventura pela região, um dos mais caros do país. Hoje, o transporte de grãos entre os 1,3 mil km que ligam Confresa (MT) e o porto de Barcarena (PA) custa R$ 175 a tonelada. 

“Em qualquer outra área do País, um trajeto de 1,3 mil km custa R$ 160 a tonelada. E essa situação piora no pico da safra, quando nosso frete sobe até 40%. É o custo que pagamos pelas estradas que temos”, afirma Humberto Borges, diretor de planejamento da Fazenda Bom Sucesso, em São José do Xingu (MT).

Tudo o que sabemos sobre:
Araguaia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.