Rodrigues afirma que agricultura está "no fundo do poço"

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, disse hoje, em um discurso emocionado no lançamento do Plano Nacional de Agroenergia, que a agricultura brasileira enfrenta em 2005 a pior crise dos últimos anos e que o cenário para o agronegócio é "sombrio" para 2006."Estamos no fundo do poço, mas vamos atravessá-lo e eu vou trabalhar nisso cada segundo que eu estiver no Ministério da Agricultura", disse Rodrigues no evento que acontece na sede da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), em Piracicaba (SP).Emocionado, o ministro afirmou que está frustrado "por ter uma crise monumental como essa e não conseguir resolvê-la. É lógico que sinto ter chegado ao ministério nesse momento e é lógico que não estou feliz".No entanto, Rodrigues procurou passar uma mensagem de otimismo e esperança de que a crise na agricultura faz parte de um ciclo de altos e baixos do setor e reafirmou que irá permanecer no Ministério. "Não vamos baixar a cabeça. A competência do agricultor será a alavanca para essa virada", afirmou.Preocupação com inflaçãoRodrigues prevê que a queda estimada em 5% na área plantada em 2005/2006, a possibilidade de ela atingir 20% em algumas regiões brasileiras e a redução do padrão tecnológico nas lavouras causem uma redução na produção de grãos, um aumento no uso de estoques e, conseqüentemente, uma valorização nos preços ao consumidor de produtos agrícolas. "O que nos preocupa é que esses fatores trarão um recrudescimento inflacionário em 2007", avaliou o ministro.Rodrigues voltou a afirmar que não está satisfeito com a situação da agricultura e afirmou "ter esperança de convencer determinados setores do governo da importância do nosso setor e certeza de que o presidente Lula nos ajudará". Rodrigues lembrou ainda que, além da questão econômica, "vários fantasmas pairam sobre a agricultura brasileira". O ministro citou, entre eles, a falta de avanço nas negociações da Rodada de Doha, as questões ainda não resolvidas, como logística, a falta de regulamentação da Lei da Biossegurança e a indefinição em relação ao código florestal e ao conceito e produtividade média para fins de desapropriação para a reforma agrária.Notícia boaClassificada pelo ministro da Agricultura como uma boa notícia entre tantas ruins, o governo assina hoje os primeiros contratos da história de seguro rural com subvenção federal para agricultores. Segundo o ministro, serão destinados, por parte do governo, R$ 10 milhões para a subvenção do seguro por parte de produtores interessados. Os detalhes deverão ser dados ainda hoje pelo secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura, Ivan Wedekin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.