Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão
Imagem Roberto Rodrigues
Colunista
Roberto Rodrigues
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Como ficará o Brasil na 'nova globalização'

País deve fazer de tudo para manter relações comerciais com o mundo todo, sem preocupações com sistemas de governo ou ideologias políticas

Roberto Rodrigues, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2022 | 04h00

Um dos mais complexos debates resultantes da pandemia da covid-19 e mais da invasão da Ucrânia pela Rússia é a especulação sobre o que vai acontecer com a globalização da economia.

Muitas cadeias globais tiveram problemas com fornecimento de insumos ou componentes essenciais, levando seus responsáveis a repensar a forma de produção, até mesmo em voltar a produzi-los no país da matriz, de maneira a garantir a integridade do produto final.

Outra questão que domina discussões pelo mundo afora é a segurança alimentar, em pelo menos duas vertentes: a primeira é a redução de dependência externa de alimentos. Países que são grandes importadores já começam a procurar novos fornecedores ou, mesmo, buscam aumentar sua própria capacidade produtiva.

Em nome da segurança alimentar, algumas regras têm sido desconsideradas. Exemplo mais recente é a da possibilidade de países europeus permitirem a seus agricultores o plantio nas áreas em pousio.

Em nome da defesa do meio ambiente, pousio é a política pública que mantém, com subsídios, terras privadas sem cultivo por um determinado tempo, tendo em vista restabelecer os nutrientes extraídos com plantios anteriores.

Com isso, pode ser que o tema ambiental espere um pouco. Aliás, seria interessante que se preocupassem também com sua matriz energética, baseada em fósseis e com menos de 20% renováveis, enquanto a nossa tem mais de 19% de origem agro na matriz, com 48% renováveis. 

A outra vertente é a escassez de fertilizantes, responsável por um brutal aumento de nossos custos de produção para a próxima safra.

Mas o ponto fundamental dessa discussão toda é realmente o destino da globalização. Analistas respeitados (como o ex-embaixador do Brasil Rubens Barbosa) acreditam que talvez caminhemos para uma nova dicotomia geopolítica: de um lado, o ocidente, com a liderança de países e blocos poderosos (EUA e UE), que influenciam instituições multilaterais como a ONU; de outro lado, a Ásia, importantíssima no comércio mundial, sob a liderança informal da China.

Como ficaríamos num eventual cenário como esse? Somos um país ocidental, mas mais da metade de nossas exportações vai para a Ásia. Claro, devemos fazer de tudo para manter relações comerciais com o mundo todo, sem preocupações com sistemas de governo ou ideologias políticas. 

Mas como seremos vistos pelos diferentes grupos de países exportadores/importadores? São questões que podem trazer mudanças importantes no nosso comércio internacional. Devemos estar atentos a elas.

* EX-MINISTRO DA AGRICULTURA E COORDENADOR DO CENTRO DE AGRONEGÓCIOS DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.