Rodrigues não vê mais razão para embargo russo à carne

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, afirmou nesta terça-feira que tecnicamente não há mais nada a fazer sobre o embargo russo às exportações da carne brasileira. "Aparentemente não há mais nenhuma questão técnica a discutir", afirmou. Ele disse que pediu ao Itamaraty uma posição diplomática sobre o assunto. "O Itamaraty está avaliando para tomar uma posição porque tecnicamente e comercialmente não há razão para que o embargo continue", disse o ministro.A Rússia suspendeu as importações de carne do Brasil em setembro do ano passado depois do surgimento de um foco de febre aftosa no Amazonas. Depois, autorizou as compras apenas de Santa Catarina, o único Estado livre de febre aftosa sem vacinação. O governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, ameaçou entrar com uma ação na Justiça contra o Ministério da Agricultura por causa do embargo russo. "Não foi o Ministério da Agricultura que abriu o mercado russo para Santa Catarina. A decisão foi do governo russo mas eu entendo que cria um desequilíbrio regional para os produtores de carne suína e bovina", disse o ministro. "O governador Rigotto tem todo o direito de buscar todas as formas para o Rio Grande do Sul voltar a exportar para a Rússia", continuou Rodrigues, sempre isentando o governo federal da responsabilidade sobre o problema.Rodrigues disse que o governo tem estudado medidas globais para ajudar os produtores agrícolas e pecuaristas gaúchos. Segundo ele, o Estado foi muito castigado por questões comerciais e climáticas. Ele lembrou que, além do embargo russo, os produtores de arroz e trigo estão sendo prejudicados pelas importações do Mercosul. Também enfrentam uma queda no preço da soja e do milho, além de uma quebra na produção por causa da seca em algumas regiões. "Estamos olhando isso num caráter mais amplo mas verificamos que o problema maior é da agricultura familiar", informou. O ministro disse que pretende discutir de forma global com área econômica do governo a questão da queda da renda do produtor rural este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.