Rodrigues reafirma que houve corte de verba

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, evitou hoje, no programa "Bom Dia, Brasil", da Rede Globo, atribuir diretamente a culpa a alguém pelo surgimento do foco de aftosa em Mato Grosso do Sul, mas admitiu que, em virtude do contingenciamento de recursos, o Ministério da Agricultura, que havia conseguido o melhor orçamento da década para a defesa sanitária este ano, com R$ 169 milhões, acabou tendo cortada esta verba em 80%. Isto porque metade de seu orçamento, o da Embrapa, é incontingenciável. Com isso, o corte teve que ser dobrado na parte restante do ministério, chegando a 80%. E o orçamento da defesa sanitária caiu para R$ 37 milhões."Imediatamente, entramos em contato com o ministro Palocci (Antonio Palocci, da Fazenda), com o ministro Mantega (Guido Mantega, ex-ministro do Planejamento), tentando recuperar esse orçamento ou, pelo menos, parte dele", lembrou Rodrigues. E hoje, ao longo dos meses, conseguimos recompor o orçamento inicial de R$ 169 milhões para R$ 91 milhões, dos quais R$ 50 milhões já foram aplicados. E não é só aftosa: é aftosa, brucelose, é em defesa contra a vaca louca, é em preocupações com a gripe aviária, é na ferrugem da soja, com o cancro cítrico da laranja, são "n" doenças e preocupações com as quais o governo se envolve".O ministro observou, porém, que a responsabilidade pelo controle não é só do governo federal. "Então, parte dos recursos para defesa sanitária é repassada aos governos estaduais", afirmou. "Mas para isso precisa de um plano, um projeto acabado, completo, com começo, meio e fim. E alguns Estados ainda não apresentaram esses programas, razão pela qual nem sempre os recursos foram liberados para os Estados.Ele não culpou diretamente o governo de Mato Grosso do Sul, mas disse que os R$ 3,5 milhões aprovados para o governo daquele Estado tomar todas as medidas necessárias para erradicar o foco e adotar também as medidas preventivas de controle e fiscalização necessárias deverão ser liberados apenas quando o governo daquele Estado apresentar seu plano, o que deverá ocorrer nas próximas horas."Agora, não se discute mais de quem é a culpa"Rodrigues disse que, "agora, não se discute mais de quem é a culpa. Nós temos um problema: tem um foco de aftosa que perturba as exportações, nós temos de recuperar isso, descobrindo as razões pelas quais a aftosa chegou ao Mato Grosso do Sul". Segundo ele, cabe agora questionar se foi feita a vacinação ou não foi. O Estado diz que "foi feita". Outra questão a ser levantada, segundo ele, é: "A vacina era boa ou não era? Ela foi mantida em condições de temperatura adequada ou não?", Segundo o ministro, "todos esses temas é que precisam ser investigados pelos governos federal e estadual do Mato Grosso do Sul, ao lado de medidas já adotadas em termos de fiscalização e controle, para identificar as origens do problema, combatê-las e aí, reabrir os mercados". "PF está investigando se foco veio do Paraguai"O ministro da Agricultura informou ainda que a Polícia Federal está investigando a possibilidade de o foco de aftosa descoberto em Eldorado (MS) ter ingressado no País por gado infectado importado ilegalmente do Paraguai. "A Polícia Federal está cuidando desse assunto para a gente, para examinar se há, de fato, uma origem dessa natureza", disse o ministro, quando questionado se o governo está consciente da fragilidade do controle na fronteira. Ele assegurou, também, que nenhum tema está sendo excluído na análise das causas. "Porém, quero ter absoluta certeza de cada fator causal para atacar cada um, com segurança", ressaltou.Reunião para prevenir gripe aviáriaO ministro da Agricultura disse ainda que o governo está preparando um projeto emergencial para prevenir a gripe do frango no País. "Está tudo praticamente encaminhado", afirmou. "Vamos ter, no próximo dia 25 de outubro, uma grande reunião com o setor privado para definir funções de cada área, em cada Estado, em cada região do País e criar um modelo forte de prevenção".Ele fez essa afirmação ao ser lembrado que a Europa está preocupada com a possibilidade de uma pandemia dessa gripe, que já matou 60 pessoas na Ásia desde 2003, e de que os Estados Unidos também já estão adotando medidas, aumentando a produção e estocagem de medicamentos para o caso de um surto.A preocupação com a doença na Europa aumentou, depois que as autoridades da Romênia anunciaram que deverão divulgar, hoje, o resultado de análise de um vírus suspeito de ser o da gripe do frango. A doença apareceu também em animais de outros oito países, principalmente da Ásia, mas também na Turquia. Até hoje, a maioria das vítimas são pessoas que tiveram contato direto com os animais doentes. Mas especialistas advertem para o risco de que o vírus sofra mutações e passe a ser transmitido de pessoa para pessoa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.