Rombo na Grécia é maior e vai a 13,6%

Estimativa anterior era que déficit orçamentário de 2009 seria de 12,9% do PIB; agência Moody's revisa para baixo a nota do país

Andrei Netto, CORRESPONDENTES / PARIS, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2010 | 00h00

A economia da Grécia entrou ontem em situação crítica. Dados divulgados pelo Escritório Estatístico das Comunidades Europeias (Eurostat) relevaram que o déficit público do país em dezembro de 2009 foi de 13,6% do PIB, e não 12,9%, conforme a estimativa anterior. A revisão fez aumentar a incerteza já imensa sobre os títulos gregos no mercado, elevando a 8,5% os juros exigidos para novos empréstimos.

À beira da falência, Atenas deve recorrer nos próximos dias à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para equilibrar as contas.

As estatísticas foram publicadas na manhã de ontem, em Bruxelas, e tiveram impacto imediato no mercado financeiro. O euro despencou à noite a US$ 1,3261, seu menor valor em um ano. Para agravar a situação, a taxa das obrigações do Estado grego com validade de 10 anos chegava a 8,53% às 13 horas. Há um mês, o índice era de 6,03%. Em consequência, para tomar dinheiro emprestado no mercado privado, o governo grego precisa pagar 5,5 pontos porcentuais a mais do que a Alemanha, o país de referência em qualidade de crédito na Europa.

A conjuntura adversa se completou com o novo rebaixamento da nota dos títulos da dívida grega pela agência de classificações de risco Moody"s - de A2 para A3 e colocando a economia do país sob observação -, indicando ainda a disposição para um novo rebaixamento. "Há um risco importante de que a dívida possa apenas se estabilizar em um nível mais elevado e mais custoso do que o estimado anteriormente", justificou a agência.

Em resposta ao ambiente hostil, o ministro de Finanças da Grécia, Georges Papaconstantinou, veio a público descartar "de forma categórica" a hipótese de falência, considerada cada vez mais próxima. "É um conceito que nós não apenas não usamos, mas que também não foi discutido nem pela Comissão Europeia, nem pelo FMI, e não está em nossas intenções", argumentou, reiterando sua disposição de cortar em 4% o déficit do país neste ano. "Os dados não mudam nosso objetivo de redução do déficit em 2010."

Com o aumento da taxa de juros no mercado privado, sobra ao governo grego a alternativa de recorrer à UE e ao FMI.

Em 25 de março, os 27 líderes europeus chegaram a um acordo para um plano de socorro de até ? 30 bilhões em 2010, valor que seria destinado ao refinanciamento da dívida do país, com juros subsidiados de 5%.

Segundo Papaconstantinou, os detalhes sobre a liberação dos recursos vêm sendo discutidos em Atenas desde quarta-feira por técnicos da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu (BCE), do FMI e do governo local. A perspectiva é de que a soma total, estimada em ? 80 bilhões, seja liberada em três anos. "Se nosso país ativar o mecanismo, a validação será rápida. A Grécia não vai sofrer nenhum embaraço em maio, seja por seguiremos tomando emprestado nos mercados, seja por usaremos o mecanismo de apoio."

Para tanto, porém, os governos dos demais 15 países da zona euro terão de aprovar o plano de socorro em seus parlamentos. Ontem, a ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, garantiu que o texto deve ser apresentado à Assembleia Nacional entre 3 e 4 de maio, e ao Senado entre 6 e 7 de maio. "Estamos falando de empréstimos bilaterais, e não de um presente."

A França será o segundo maior contribuinte para o empréstimo, com aproximadamente ? 6,3 bilhões. A Alemanha vai liberar ? 8,4 bilhões para Atenas.

Nova paralisação. Apesar do empenho da UE e das instituições internacionais em tentar evitar a falência do país, a população foi às ruas para a quarta greve geral em três meses. A paralisação foi convocada pelos principais sindicatos do país contra o plano de austeridade implementado pelo governo.

PARA LEMBRAR

Desde o início do ano, quando foi realizada a última reunião de cúpula do Conselho Europeu, os líderes nacionais discutem a criação de um mecanismo de socorro à Grécia. Até aqui, o apoio vem sendo apenas político.

Uma das maiores dificuldades era aceitar ajuda do FMI, algo até então inaceitável para os países da zona do euro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.