Romi estuda fazer oferta diretamente aos acionistas da Hardinge

Fabricante de máquinas e equipamentos diz que oferta hostil recusada 'proporciona liquidez imediata' 

Agência Estado,

19 de fevereiro de 2010 | 10h56

A Indústrias Romi, fabricante de máquinas e equipamentos, divulgou comunicado nesta sexta-feira comentando a recusa da empresa americana Hardinge à sua oferta hostil de aquisição, feita no dia 4 de fevereiro. Segundo a Romi, a "oferta em dinheiro proporciona liquidez imediata, em valor superior às perspectivas futuras da Hardinge como uma sociedade independente". A empresa brasileira estuda a possibilidade de fazer oferta diretamente aos acionistas da americana.

 

Na quinta, o conselho da Hardinge afirmou em comunicado que considerou a proposta da Romi "grosseiramente inadequada, oportunista e fora dos interesses da Hardinge e seus acionistas". A Romi informa no comunicado estar disposta a negociar com o conselho da Hardinge, mas diz que se as conversas não avançarem, a brasileira "não terá outra alternativa" a não ser levar a oferta diretamente aos acionistas da Hardinge.

 

A oferta em dinheiro da Romi, feita no dia 4 de fevereiro, representa um prêmio de 46% em relação ao preço de fechamento da ação da Hardinge no pregão do dia 3. A Romi fez uma oferta hostil para a aquisição de todas as ações em circulação da Hardinge ao preço de US$ 8,00 por ação, a ser pago em dinheiro. Segundo o comunicado, "a oferta não está sujeita a nenhuma condição de financiamento e será financiada inteiramente por recursos próprios da Romi."

 

"Nós estamos desapontados que, apesar da resposta positiva por parte dos acionistas da Hardinge para nossa oferta, o Conselho da Hardinge continua a recusar-se a discutir de maneira significativa nossa oferta em dinheiro," disse no comunicado o diretor presidente da Romi, Livaldo Aguiar dos Santos. "Baseado na divulgação do resultado da Hardinge do quarto trimestre e do exercício de 2009 e perspectivas anunciadas ontem, é difícil entender como a Hardinge tem condições de entregar valor equivalente ou superior para seus acionistas como um negócio isolado no curto e médio prazos."

 

O HSBC Securities, nos Estados Unidos, está atuando como assessor financeiro da operação e o Shearman & Sterling LLP está atuando como assessor jurídico. 

Tudo o que sabemos sobre:
Romi, Hardinge, oferta hostil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.