Veja o que mudou na vida das pessoas em seis meses de pandemia

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Conteúdo Patrocinado

Veja o que mudou na vida das pessoas em seis meses de pandemia

Histórias de brasileiros no exterior, como anda a educação, a saúde e o empreendedorismo durante a pandemia

Media Lab Estadão, O Estado de S.Paulo
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

11 de setembro de 2020 | 00h00

Quarta-feira, 11 de março de 2020. No horário oficial de Brasília, 13h26. Pela rede social Twitter, a Organização Mundial da Saúde declara que o mundo está sob uma pandemia, causada por um novo tipo de coronavírus. A doença naquele momento estava em 110 países, inclusive no Brasil, e havia afetado 118 mil pessoas.

O que viria pela frente dividiria muito a sociedade planetária ao longo de todos esses seis meses. Com o passar do tempo, a ciência e a saúde ganhariam todos os holofotes, principalmente entre aqueles que, desde o início, encararam a seriedade do problema.

Desde a gripe espanhola, há mais de cem anos, o mundo não assistia a algo parecido. Na era da tecnologia, então, em que cruzar fronteiras e continentes é cada vez mais rápido, foi impossível blindar as maiores nações do mundo. No Brasil, não foi diferente. Em uns Estados mais do que em outros, várias medidas começaram a ser tomadas para bloquear a circulação de pessoas e, consequentemente, reduzir os riscos de infecção.

Apesar de ser clichê, o mundo nunca mais será o mesmo. A forma de trabalhar, como mostra este especial sobre os seis meses de pandemia, pode ter mudado para sempre. As sequelas na educação, em que crianças tiveram de trocar a alegria das amizades escolares pela tristeza de um mundo 100% virtual, poderão marcar toda uma geração. Assim como os médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde, os professores também tiveram de se reinventar para que alunas e alunos mantivessem interesse pela escola. Milhões de estudantes, entretanto, sem acesso à internet, ficaram totalmente fora das rotinas para obtenção de mais conhecimento.

Os desdobramentos em vários setores da economia vão durar anos. Mas a gravidade da crise econômica também fez muitas pessoas descobrirem novos caminhos e até profissões inusitadas, como os leitores vão poder perceber nas próximas páginas.

Veja também todas as reportagens do especial Seis meses de pandemia:

Fuga das cidades pode não ser duradoura

Migração para o home office, perda de emprego e desvios na carreira podem reconfigurar espaços urbanos na pandemia

Mudança de rotina empurra brasileiro para o empreendedorismo

Desemprego tem despertado novas paixões profissionais

Pandemia evidencia potencial do SUS

Infraestrutura e financiamento são gargalos crônicos do Sistema Único de Saúde

Malabarismo das famílias inclui baratear o plano de saúde

Assistência privada continua sendo considerada a opção mais segura

Fases do Medo

Confira depoimento de uma jornalista que vive na Itália sobre como está o país

Na Europa, brasileiros convivem com incertezas na reabertura

Rainha de bateria teme pela volta às aulas em Milão

Desigualdades na educação se ampliam na crise sanitária

Nas escolas públicas que oferecem ensino a distância, 26% dos alunos não têm condições de acompanhar o conteúdo

‘Momentos inéditos vão exigir soluções inéditas’, diz especialista

Para Ivan Gontijo, coordenador de projetos do movimento Todos Pela Educação, volta vai exigir apoio psicológico a professores e alunos

Negócios caseiros e franquias frutificam na adversidade

Bolos e marmitas ajudam no sustento das famílias

Tudo o que sabemos sobre:
epidemiacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.